O diretor de comunicação do Rio 2016, Mario Andrada, afirmou na manhã desta sexta-feira que não haverá qualquer tipo de medida especial de segurança no jogo entre as seleções masculinas de basquete de Brasil e Argentina, neste sábado, às 14h15 (de Brasília), na Arena Carioca 1, do Parque Olímpico. Segundo ele, o planejamento para todas as arenas já foi feito e não há nenhum esquema especial a ser colocado em prática para essa partida, mesmo considerando “legal” ver a famosa rivalidade dos torcedores no futebol ser transportada para outro esporte.

– Levamos todos os jogos seriamente, e em todos os jogos as medidas estão tomadas, não somente neste jogo. Esse jogo é muito importante por vários aspectos. Será legal ver a rivalidade do futebol no basquete. Mas temos certeza que veremos os torcedores se comportarem como tal e deixarem o estádio como irmãos. Os atletas também mostrarão o espírito olímpico. Somos responsáveis por mostrar ao mundo como a paixão pode deixar o esporte ainda melhor – disse Mario Andrada em entrevista coletiva.

Leia também:  Jogador revelado pelo REC marca contra o Flamengo

As provocações entre brasileiros e argentinos têm sido comuns durante as disputas esportivas e também no Parque Olímpico, onde se concentra o maior número de pessoas na Rio 2016. Infelizmente, a rivalidade passou dos limite e causou até briga entre torcedores no duelo Juan Martin Del Potro x João Sousa, na última segunda-feira.
Ex-jogadora argentina de hóquei sobre a grama, Luciana Aymar, que também participou da entrevista coletiva, como convidada, disse que o respeito deve começar pelos atletas e espera que não tenha problemas durante o confronto.

– Estamos vivendo uma rivalidade muito forte e podemos assistir a isso nas partidas. Mas, como atletas, temos o dever de mostrar que o respeito vale acima de tudo. Não existirá riscos para atletas brasileiros e argentinos. A torcida precisa ter admiração, pois somos países com torcidas entusiasmadas.

Leia também:  Com vitória de Grêmio, Renato Gaúcho se torna o 1° brasileiro a vencer as Libertadores como jogador e técnico

O brasileiro Felipe Wu, medalhista olímpico de prata no tiro esportivo na Rio 2016, comentou sobre a situação e espera que a Olimpíada seja marcada pela paz entre as pessoas.

– O grande objetivo na Olimpíada é unir as pessoas. A rivalidade deve ficar no jogo, mas que entendam que isso é muito maior do que uma partida e que é preciso passar uma mensagem. Essa Olimpíada tem que ser da paz.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.