STApós Dana White dizer que Georges St-Pierre nunca mais pisaria em um octógono – a não ser como córner -, o próprio canadense resolveu contrariar o prognóstico do presidente do UFC. Em entrevista ao site “Bloody Elbow”, GSP demonstrou seu desejo em retornar aos cages, e disse que começará a ser testado pela USADA (Agência Antidoping dos EUA) nesta quarta-feira.

– Eu quero (voltar). Meu agente está negociando com o UFC. Eles fizeram uma oferta, nós fizemos uma contraproposta. É assim que o negócio funciona. E aí ouvimos no dia seguinte que o UFC havia sido vendido por US$4 bilhões. Então esperamos alguns dias, para ver o que estava acontecendo, porque até alguns dos empregados estavam com medo de perderem seus empregos – até algumas das pessoas da alta estirpe do UFC estavam com medo. Queríamos deixar eles tomarem conta da própria administração antes de ver o que poderia acontecer. Agora estamos conversando de novo e estou começando o processo da USADA para ser testado. Vou começar no dia 10 de agosto, em Las Vegas. Porque para eu estar disponível para lutar eu preciso ser testado.

Leia também:  Judoca brasileira vence adversária com 11 segundos e se torna a bicampeã mundial

A luta que marcaria o retorno do ex-campeão dos meio-médios aos octógonos chegou perto de ser agendada. St-Pierre revelou que a companhia lhe ofereceu um duelo contra Michael Bisping, dono do cinturão dos médios, mas as negociações acabaram não avançando.

A primeira oferta que eles nos fizeram foi o Bisping. Nós estávamos interessados nessa luta, fizemos uma contraproposta, mas, como eu disse, ouvimos que a companhia foi vendida. O Bisping já era um campeão mundial. Eles nos perguntaram se queríamos essa luta em Toronto. Não lembro exatamente em que arena, mas era contra o Bisping. E eu aceitei, estava interessado, mas você sabe como as negociações são, eles te dão um valor, colocam lá embaixo, você joga para cima e, depois, acabam se encontrando no meio.

Leia também:  Circuito de Tênis começa nesta quarta em Cuiabá

O canadense garante que um retorno após três anos parado não será sentido. Isso porquê ele seguiu treinando e, segundo o próprio lutador, está ainda melhor do que antes.
– Eu treinei esse tempo todo. Eu me sinto muito melhor agora do que antes. E todos dizem isso, todos os meus treinadores. Tenho mais habilidades. Estou mais esperto, sinto que estou muito melhor fisicamente e mentalmente me sinto melhor também.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.