Mato Grosso já registrou 25.846 casos de dengue neste ano. No mesmo período de 2015 foram 22.238 notificações, o que representa um aumento de quase 16%. Diante disso, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) reforça o alerta para a intensificação das ações de prevenção e controle da dengue, da febre chikungunya e do zika vírus aos 141 municípios.

A incidência acumulada é de 791 casos por 100 mil habitantes. Seis municípios não registraram casos esse ano, dois da Regional da Baixada Cuiabana (Jangada e Nossa Senhora do Livramento), um da Regional de Cáceres (Indiavaí), dois da Regional de Pontes de Lacerda (Conquista d´Oeste e Figueirópolis d´Oeste) e um da Regional de Porto Alegre do Norte (Santa Terezinha).

Leia também:  Candidatos do concurso da Seduc devem redobrar atenção para às regras da prova

A SES destaca esses municípios, principalmente os silenciosos e de maior incidência, a manter a rede atenta para o diagnóstico precoce da doença e o manejo correto para que os óbitos sejam evitados. Além disso, devem ser desenvolvidas ações de mobilização, inspeções domiciliares para eliminação de criadouros do mosquito, atividades educativas para orientar a população sobre como evitar focos do vetor, como também aplicação de inseticida para eliminação de insetos adultos.

Em relação ao zika vírus, são 24.240 casos suspeitos. No acumulado, 84 municípios apresentam incidência acima de 300 casos por 100 mil habitantes.

Os casos de febre chikungunya registrados este ano são 1.279. No acumulado, os municípios com maiores incidências são: Campo Novo do Parecis (1895/100 mil), Querência (468/100 mil) e Acorizal com 336/100 mil. Os demais registraram menos de 300/100 mil habitantes.

Leia também:  Em 2017, Mato Grosso registrou quase 44 mil focos de incêndio

A SES orienta a população para evitar os criadouros dos mosquitos transmissores da doença e prevenir, além da dengue, a febre chikungunya e o zika vírus. O Estado monitora semanalmente a progressão dos casos e faz o trabalho de orientação junto aos municípios para que as ações sejam intensificadas. Mas vale destacar que 80% dos criadouros do mosquito estão nas residências, por isso é importante o envolvimento da população.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.