Foto:Junior Silgueiro / GCom- MT
Foto:Junior Silgueiro / GCom- MT

Sob forte esquema de segurança, a Delegacia de Repressão à Entorpecentes (DRE) realizou na manhã desta quarta-feira (03) a incineração de 1 tonelada e 166 kg de drogas apreendidas nas cidades de Cuiabá, Várzea Grande, Poconé, Nossa Senhora do Livramento e Araputanga.

De cocaína foram incinerados 154 kg, de maconha 998 kg, de materiais usados no preparo de droga e classificados como “outros” (ácido bórico, éter, etc) cerca de 14 kg foram destruídos.

O montante é referente à 1.878 procedimentos policiais, entre Boletins de Ocorrência, Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) e inquéritos policiais, além de Auto de Apreensão de Ato Infracional.

O delegado titular da DRE, Juliano Silva de Carvalho, explica que os entorpecentes incinerados são resultantes do avanço no enfrentamento ao tráfico de drogas. “A incineração de hoje é fruto de trabalho comprometido que resultou em apreensões expressivas. Elas originaram de diversas operações da DRE, de outras delegacias da Polícia Civil e também da Polícia Militar na região metropolitana. A maioria do entorpecente foi apreendida no primeiro semestre de 2016”, afirma.

Leia também:  Bairro Seguro | 160 pessoas são detidas por crimes durante operação em Mato Grosso
Foto: Reprodução / Sesp
Foto: Reprodução / Sesp

Incineração

O percurso até a incineração começa quando a Polícia Judiciária Civil envia a droga apreendida, pelos órgãos de segurança pública, para a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), responsável por emitir laudo constatando se tratar de entorpecente, e devolve a droga para a PJC.

De posse do laudo, a delegacia requisita ao Judiciário (com vistas ao Ministério Público) autorização para a queima. A partir da ordem judicial são realizados os trâmites junto a autoridades sanitárias, conforme preconiza a lei 11.343/06.

A incineração aconteceu em Cuiabá, na região do Distrito Industrial, e contou com a presença de autoridades do Judiciário, peritos da Politec, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do secretário adjunto de Segurança Pública, Cel Rhaygino Rodrigues Setúbal, dos diretores da Polícia Judiciária Civil, Maria Alice Barros Amorim (Atividades Especiais) e Miguel Rogério Gualda Sanches (metropolitano).

Leia também:  Durante fiscalização em rodovia, PRF detém homem com mandado de prisão em aberto

O esquema de segurança foi realizado por policiais civis da DRE e contou com apoio da Gerência de Operações Especiais (GOE), da PJC, e de batedores da Polícia Militar.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.