Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Convidado do programa “Bagulho Louco com Mr Catra”, estreia de Mr Catra no Multishow, Caetano Veloso comparou nesta quarta (24) o funk carioca ao samba, afirmando que esses dois ritmos nascidos no Rio foram igualmente perseguidos e sobrevalorizados.

“Os batuques [do samba] eram proibidos, interditados pela polícia. Sem falar no candomblé. O funk tem contribuído para realidade brasileira tanto quanto o samba”, disse Caetano, após Catra referir-se ao baiano como um “proibidão” da ditadura militar.

Na conversa, o convidado frisou que viver sob o governo militar “foi horrível” e que as pessoas que pedem a volta dele em protestos ou são desinformadas ou são simplesmente más.

“Eu fui preso sem direito a habeaus corpus”, continuou Caetano. “Não tinha os direitos que há hoje, principalmente depois do AI 5. Em 68, fomos presos eu e Gil. O Geraldo Vandré eles queriam matar.”

Leia também:  Anitta pode ter dado primeiro passo em falso ao lançar 'bossa' em inglês

“A gente ficou exilado em Londres e queria cantar uma canção nesse período. Queria dedicar à memória de Geneton Moraes, grande jornalista brasileiro a quem eu amava imensamente.”

Durante o programa, Catra e Caetano apresentaram as músicas “Adultério”, “Para de Kaô”, “Baile de Favela” e “Malandramente”, além “Fora da Ordem” e “Beleza Pura”.

Durante a gravação do programa, o baiano ainda se arriscou e cantou um trecho da já clássica “Só Um Tapinha”, do grupo Bonde do Tigrão.

“Hoje, eu comemoro um dos maiores momentos da minha carreira que é o meu primeiro programa ao lado de um cara que sou muito fã e amigo, o Caetano. Quero dividir essa emoção com todos que gostam de música brasileira”, disse Catra.

Leia também:  Scalene encara 'mundo' do Rock in Rio com competência e incredulidade
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.