Os vereadores Cido Silva e Roni Magnani e mais 15 candidatos a vereador do Partido Progressista (PP) tiveram os registros de candidatura indeferidos pela Justiça Eleitoral de Rondonópolis nesta sexta-feira (2). A decisão foi tomada pelo juiz eleitoral da 45ª Zona, Wladymir Perri, onde afirma que todos os candidatos da sigla não estão aptos a concorrerem às eleições municipais do dia 2 de outubro e estão excluídos do pleito.

Os candidatos podem tentar reverter a situação apresentando recurso ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Se o julgamento não ocorrer até o dia da eleição, o pleito pode ser disputado sub judice (aguardando determinação judicial).

Conforme o relato do juiz, o PP foi excluído das eleições porque não atendeu com as disposições estatutárias do próprio partido, onde não teve quórum suficiente em sua convenção para escolha dos candidatos, coligações, número de urna, dentre outros.

Leia também:  Grupo articula colocar Pátio como candidato ao senado

Wladymir relatou que o número de filiados não atingiu o quórum suficiente para convenção, visto que na ata partidária consta que estiveram presentes na convenção do PP apenas 18 filiados, sendo que, o próprio PP informou à Justiça Eleitoral que possui na cidade 580 filiados, de maneira que para a instalação da convenção seria necessária a presença dos 20% dos filiados conforme reza o estatuto do partido, o que corresponderia a 116 presentes e não apenas 18.

O magistrado ainda disse que outros partidos também cometeram o mesmo erro e a Justiça irá tomar as providências que a legislação eleitoral requer.

Nestas eleições, o PP está na chapa proporcional denominada “Progresso para Todos” formada pelo PSD, Pros e pelo próprio PP. A coligação faz parte do arco de alianças que defende a candidatura a prefeito de Rogério Salles (PSDB).

Leia também:  Sachetti deve migrar para o DEM com missão de não ser mais um "fila do pão"
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.