Bom dia, boa tarde, boa noite, boa madrugada, para você nosso leitor amigo, obrigado por estarem conosco mais uma vez, esse espaço busca apresentar o Direito de maneira simples, o Direito do seu dia a dia.

Trabalhei muito com direito penal, tive a honra de ser treinado por um dos melhores criminalistas da cidade, obrigado mestre, apesar de não ser nenhum apaixonado pelo tema, aprendi bastante, tanto que escrevo essas palavras de Brasília, na ante sala de um ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde estarei tratando de um Habeas Corpus.

Apesar de eu ter feito aos senhores um manual completo de como não ser assaltado nessa cidade, um amigo meu nesse último domingo, mesmo tendo lido a matéria, e ter me parabenizado por ela, foi assaltado, e me ligou para dizer que foi igualzinho estava na matéria, parado em lugar ermo (de pouco movimento), ostentando sinais de riqueza (carro do ano, cordão de ouro e celular caro ao ouvido), dois sujeitos de motos, passaram, deram a volta e anunciaram o assalto.

Leia também:  Posso devolver mercadoria e receber o dinheiro de volta; mito ou verdade? | Entendendo Direito

Mas o que mais indignou esse meu colega foi o fato desses assaltantes serem brancos como ele, na mente dele ainda está a imagem preconceituosa de que o assaltante deveria ser no mínimo pardo ou nordestino, um outro, mas menino branco nunca.

Vou mostrar pra vocês quem eles são, para que vocês não mais se deixem enganar pelas aparências.

Eles chamam a si mesmo de soldados 121, em referência ao artigo 121 do código penal que fala sobre o crime de homicídio.

Isso diz muito sobre eles, se consideram caçadores, estão dispostos a matar, não no assalto, porque matar a vítima é sinal de amadorismo, isso só ocorre em último caso. Estão dispostos a matar por dinheiro,(crime de pistolagem) hoje matar alguém em Rondonópolis sai por menos de R$ 4.000 mil, bem conversadinho dá pra fazer três por R$ 10.000 mil.

Leia também:  Já sabe como receber os valores da Telexfree ? | Entendendo Direito

Eles são jovens, homens, entre 16 e 25 anos, moram com seus pais, tem família medianamente estruturada, a maioria está fora dos bolsões de pobreza, acreditem a maioria deles não moram no bairro Alfredo de Castro.

São obcecados por consumo e colecionam namoradas, mantém um padrão de vida muito acima das pessoas da sua idade misturando o tráfico de drogas formiguinha com assaltos ocasionais que eles chamam de “descuido”.

Odeiam a Polícia Militar e só temem estes, são muito ligados a figura de sua mãe, e veem você como um alvo, nada pessoal, apenas fonte de renda rápida e barata, acreditam que você é diferente deles, por isso não tem empatia, e não sentem dó pelo seu sofrimento.

Leia também:  É impossível cumprir as 5 milhões de leis do Brasil | Entendendo Direito

Não se enganem, não aparentam ser criminosos, não são o tipo clássico que habita o pensamento da maioria das pessoas, devido a sua renda elevada, vestem-se bem (para o gosto deles), são educados (fora da atividade criminosa), muitos frequentam igrejas protestantes aos domingos.

Tem como característica principal agir em dupla, serem normalmente muito magros, e estarem por perto de ti, em uma moto lhe observando, são muito confiantes e ousados, pois sabem que você cidadão de bem não anda armado, procuram facilidades desistindo a mínima dificuldade(não estou falando de reagir estou falando de dificultar).

Se quiserem releiam a matéria que escrevi, com um guia de sobrevivência completo, que diminui em mais de 80% a chance de você ser assaltado.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.