Sobe para 1.141 o número de candidatos de Mato Grosso que figuram em relatórios do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Tribunal de Contas da União (TCU) como beneficiários de doações ou movimentações de recursos de campanha com suspeita de irregularidades. O segundo relatório semanal, divulgado hoje pelas duas instituições, traz os nomes de 662 candidatos a prefeito e a vereador, com movimentações financeiras suspeitas. No primeiro relatório, divulgado na segunda-feira passada (05), apareciam os nomes de 479 candidatos.

Para a desembargadora Maria Helena Póvoas, presidente do TRE-MT, os dados são preocupantes, em especial porque envolvem um número muito grande de candidatos de Mato Grosso. O número de candidatos com suspeitas de irregularidades em suas movimentações financeiras representa 11% do total de 10.393 candidaturas registradas no Estado. E este é apenas o segundo relatório do TSE e TCU, que prometem analisar novos lotes a cada semana, e enviar os resultados para o Ministério Público Eleitoral de cada Estado.

Leia também:  Em clima quente com bate-boca e empurrões sessão do Senado é suspensa

“Por um lado, é preocupante porque são muitos os candidatos de Mato Grosso nesta lista de suspeitas de irregularidades. Mas, por outro lado, os dados demonstram que a Justiça Eleitoral está realmente fechando o cerco contra os que insistem em burlar as regras estabelecidas. Desde o início do ano nós estamos alertando os candidatos para que não se aventurem na seara do Caixa 2 de campanhas e de outros crimes eleitorais. A Justiça Eleitoral está atenta, não apenas na esfera federal, mas aqui em Mato Grosso também. Estamos trabalhando em parceria com a Receita Federal, secretarias de finanças dos municípios e secretarias de Fazendas dos estados. E agora lançamos o CAIXA 1, que já está recebendo informações da sociedade, sobre gastos de campanhas dos candidatos. Importante ressaltar que esses dados não ensejam apenas a reprovação das contas de campanha, mas podem resultar em processo por uso do caixa 2, que prevê, em caso de condenação, a cassação do diploma”, alertou a desembargadora Maria Helena Póvoas.

Leia também:  Vereadores de Costa Rica participam de evento nacional

Somados os números dos dois relatórios, o município de Sorriso aparece como campeão de suspeitas de irregularidades, com 102 candidatos; Rondonópolis está em segundo lugar, com 66; Cuiabá em terceiro com 59; e Várzea Grande com 16.

Todos os dados já foram enviados ao Ministério Público Eleitoral.

As irregularidades foram detectadas a partir de um trabalho conjunto entre o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o Tribunal de Contas da União (TCU), sobre a movimentação financeira dos candidatos declarada à Justiça Eleitoral.

O relatório identifica 12 tipos de irregularidades. Entre elas estão empresas fornecedoras de serviços para campanha eleitoral, com número reduzido de empregados, indicando indícios de falta de capacidade operacional; beneficiários do Bolsa Família no rol de doadores; e doadores que não possuem, na sua declaração de imposto de renda, capacidade para doar o montante declarado, respeitado o limite de 10% previsto em Lei.

Leia também:  Thiago Silva entrega certificados para formandos da FUG na Vila Operária
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.