Uma família de Peruíbe, no litoral de São Paulo, foi feita refém e ficou por mais de duas horas amarrada na cozinha da própria casa, enquanto três criminosos armados roubavam o imóvel. Uma câmera de monitoramento que fica na sala da residência, flagrou a movimentação do trio. O bando fugiu e até o momento ninguém foi preso.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O crime aconteceu por volta das 9h30, no bairro Stella Maris. O dono da casa arrumava o portão, quando dois homens armados o abordaram e mandaram que entrasse na casa, onde também estava a esposa. O casal foi amarrado e encapuzado dentro da cozinha, enquanto um comparsa vasculhava os outros cômodos.

Minutos depois de renderem o casal, os criminosos ouviram um barulho no portão. Era a filha do casal que chegava em casa com o neto . Ela e o menino de seis anos também foram amarrados.
O trio ficou dentro da casa por cerca de duas horas. Segundo um dos filhos da vítima, que não estava no local no momento do assalto, mas registrou boletim de ocorrência, o bando “fez a limpa” na casa.

Leia também:  Enem terá a maior estrutura de segurança da história, diz ministro
Foto: Thales Grothe Ostapiuk/Arquivo Pessoal
Foto: Thales Grothe Ostapiuk/Arquivo Pessoal

“Levaram a minha moto, jóias, dois notebooks, dois tablets, quatro celulares, três aparelhos de TV, mochila, bolsas, documentos, chave do carro e da casa, câmera fotográfica e até os aparelhos do circuito de monitoramento interno. O único que ficou foi o da sala que gravou eles juntando os aparelhos para roubar”, conta o jovem, que preferiu não se identificar.
Assim que os criminosos foram embora do local, por volta das 11h30, a filha do casal conseguiu escapar e ligar para polícia, mas os criminosos não foram encontrados.

Por um aplicativo instalado em alguns dos celulares, o publicitário descobriu pelo rastreador a possível localização dos suspeitos. “Pelas coordenadas do celular eles fizeram uma parada próximo ao bairro Maracanã, em Praia Grande, e, pouco tempo depois, próximo a um shopping da cidade, até que o celular foi desligado e não consegui mais rastrear”, lembra.
Apesar das dicas, a polícia não achou o grupo. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Peruíbe.

Leia também:  Comando da PM solicita apoio das Forças Armadas para prender assassinos que matou coronel
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.