Foto: Reprodução/Record Bahia
Foto: Reprodução/Record Bahia

A mãe de uma cadeirante precisou discutir com o motorista de um ônibus e com alguns passageiros para ter o direito da filha respeitado na capital baiana. A mulher queria voltar para casa com a filha, que tem paralisia cerebral, mas o coletivo estava cheio e até o espaço destinado à pessoas com deficiência estava ocupado por passageiros sem deficiência.

Imagens flagradas pela equipe de reportagem da Record Bahia mostram a mãe bastante nervosa pedindo para que o motorista abrisse a porta do ônibus.

— O espaço meu é reservado, é reservado por lei, é lei municipal. Você tem que abrir (a porta) pra mim, para os outros não, pra mim é lei municipal. Quem não é cadeirante não tem direito, mas eu tenho direito

Leia também:  Criminosos munidos de fuzis "tocam o terror" em agência bancária do PR

O flagrante aconteceu em um ponto de ônibus, na altura do Sesc, no bairro de Piatã. Renata Aleixo tentava entrar com a filha, que é cadeirante, em um micro-ônibus adaptado. O veículo estava cheio, tinha gente sentada nos degraus, na porta de acesso à cadeira de rodas. Indignada, a mulher queria que as pessoas abrissem espaço

Foto: Reprodução/Record Bahia
Foto: Reprodução/Record Bahia

O motorista só desceu do ônibus para ligar o elevador para que as passageiras entrassem após perceber a equipe de reportagem.
— Eu já vivo isso há muito tempo, não é a primeira vez. Tenho processo contra empresa porque eles acham que a gente tem que ser excluído da sociedade. Não posso ir para uma praia, a gente não pode ir em lugar nenhum, porque eles barram a gente.

Leia também:  Homem é preso por falsificar assinatura de juíza e fraudar mandado de apreesão

Cheia de revolta por ter o direito da filha negado, Renata desabafa:

— Todo mundo quer ocupar a vaga do cadeirante, mas ninguém quer arrancar as duas pernas fora. Arranque as duas pernas fora e ande de cadeira de roda para ver se é bom. Não é!

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.