Foto: assessoria
Foto: assessoria

Condenada a 22 anos e seis meses de prisão, Giselma Carmen Campos Magalhães,  52 anos, foi presa na cidade de Pontal do Araguaia (509 km ao Leste da Capital), em cumprimento de mandado de prisão efetuada, na manhã desta quinta-feira (06.10), por policiais civis Delegacia Especializada de Roubos e Furtos de Barra do Garças, em conjunto com a Polícia Militar de Bom Jardim de Goiás (GO). A suspeita foi presa em sua residência, depois de dois dias vigilância policial.

A mulher ficou conhecida por mandar assassinar o ex-marido, que era diretor-executivo da Friboi, Humberto Magalhães, no bairro Vila Leopoldina, em 4 de dezembro de 2008. O empresário foi morto com dois tiros, por um motoqueiro perto da casa do casal, em São Paulo.

Leia também:  Cavalo doido | Quadrilha é detida com mais de 500 kg de droga dentro de veículo

Giselma Carmem Campos Magalhães, apontada como mandante, foi condenada no ano de 2013, mais de cinco anos depois do assassinato, pelo júri popular. Na ocasião, ela saiu do Fórum de Barra Funda livre por força de um habeas corpus obtido junto ao Supremo Tribunal Federal.

O crime foi motivado pela separação do casal de mais 20 anos de matrimônio e também por interesses financeiros, segundo as investigações.

A mulher planejou a execução do ex-marido junto com o irmão por parte de mãe, de nome Kairon Vaufer Alves. Mediante pagamento, contratou dois homens para assassinar Humberto, na noite de 4 de dezembro de 2008.

O motoqueiro Paulo dos Santos e seu comparsa Osmar Gonzaga Lima também foram condenados a 20 anos de prisão, cada um. Já Giselma chegou a ficar presa por um ano e cinco meses antes de obter uma liminar do STF.

Leia também:  Motociclista morre após colidir em carreta no Anel Viário

Seu meio-irmão, Kairon Vaufer Alves, réu-confesso do crime, foi condenado a 21 anos. A pena dele foi atenuada já que estava preso preventivamente desde o final de 2008 no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, São Paulo.

A vítima tinha parentes na cidade de Bom Jardim de Goiás, a 35 km de Barra do Garças. A suspeita estava morando em Pontal do Araguaia (MT), com o filho mais velho. O casal tinha dois filhos, o mais o novo buscava a prisão a mãe e mais velho apoiava a atitude dela, tanto que estava morando com ela em Mato Grosso.

A presa será encaminhada a Cadeia Pública de Nova Xavantina, até ser transferida para o estado onde responde pelo crime. a Polícia.

Leia também:  Primavera do Leste | Jovem é morto a tiros após sair de bar com amigos

A prisão teve apoio do tenente Santana, da PM de Bom Jardim de Goiás, em em Barra do Garças, foi coordenada pelos delegados  Wilyney Santana Borges e Adriano Marcos Alencar. Com informações do Estadão, SP. 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.