Imagem: Penitenciária Major Zuzi Alves da Silva em Água Boa
Foto: Interativa FM / reprodução

Um detento foi assassinado e esquartejado dentro da Penitenciária Major Zuzi Alves da Silva em Água Boa – MT. Os pedaços do corpo foram localizados na rede de esgoto após um dos canos ter entupido. Ao abrir uma caixa de contenção, os funcionários se depararam com os pedaços de carne humana.

A direção da unidade prisional informou que a suspeita é de que o corpo seja de Leandro Real Pereira, 24 anos, conhecido como “Coringa”, já que no momento da chamada realizada após ter encontrado os pedaços do corpo, ele foi o único que não foi localizado.

Dentro da cela onde ele dividia com os outros presos foram localizados os ossos e as roupas da vítima. A cabeça continua desaparecida. Exames de DNA vão confirmar se os pedaços são realmente do detento.

Leia também:  Durante patrulhamento aéreo, Ciopaer localiza veículo roubado em terreno fechado

O delegado Sued Dias da Silva, ouviu mais de 20 detentos que dividiam o mesmo raio do preso desaparecido durante a tarde de ontem (21). Mas a lei do silêncio imperava e nenhum dos detentos revelou qualquer fato que possa indicar em que momento a vítima foi morta.

Conforme as informações da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), a unidade prisional tem capacidade para receber 360 presos com segurança, mas que nesta segunda-feira abrigava 490 detentos.

CRIME

Leandro Real Pereira responde na 12ª Vara Criminal pelo assassinato de Cristóvão Pereira Freire, o “Panda”, executado a pauladas e pedradas em uma casa abandonada, próximo a antiga feira do Verdão, no trevo de acesso ao bairro Santa Isabel. Crime ocorreu na madrugada do dia 26 de outubro de 2013.

Leia também:  PM utiliza WhatsApp como ferramenta para combater crime em Rondonópolis

Ele teria praticado o homicídio junto com o cúmplice Ivan Adílio Padilha Pontes, o “Gauchinho”, que morreu no mesmo ano.

Porém de acordo com o site do Tribunal de Justiça, Leandro estaria foragido da Justiça, já que responde a crime de homicídio, praticado em Cuiabá e não foi localizado na unidade prisional de Água Boa. Informação passada por funcionário da unidade é de que em 27 de agosto de 2015 o réu, prestes a ir à júri popular, havia sido liberado da unidade no dia 4 de agosto do mesmo ano.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.