Preso casal suspeito de homicidio - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
Preso casal suspeito de homicidio – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Um casal proprietário de uma empresa que presta serviço de reboque e auto socorro para veículos em Rondonópolis foi preso nesta terça-feira (8) durante a operação “Seguro Premiado” em cumprimento aos mandados de prisão preventiva. Eles são acusados de planejar e mandar executar o funcionário Paulo Sander Alves, após terem feito um seguro de vida no nome da vítima no valor de R$ 2 milhões. Os suspeitos são Fábio Sérgio Vitor, 41 anos e Valéria Gonçalves Teixeira, 38 anos. O caso aconteceu em fevereiro deste ano. (Veja aqui)

Conforme explicou a delegada Karla Cristina durante coletiva de imprensa realizada na manhã de hoje (8), a motivação do crime teria sido financeira. “Apurou-se que o casal é ex-patrão da vítima e teria feito um seguro de vida no valor de R$ 2 milhões em nome da vítima. A maior beneficiada dessa apólice seria a esposa do senhor Fábio, Valéria Gonçalves Teixeira, a princípio o que nos levou a essa investigação foi a grande soma de dinheiro envolvido e por outro lado, a mãe da vítima que deveria ser a única beneficiária ia receber apenas R$ 100 mil,” explicou.

Leia também:  Órgãos de segurança combatem a exploração sexual e favorecimento a prostituição em Rondonópolis
Coletiva da operação seguro premiado no cisc - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
Coletiva de imprensa da Operação Seguro Premiado – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Ela explicou que a mãe de Paulo vinha recebendo ameaças para que não informasse o valor a ser recebido.

A data apólice, segundo a delegada, foi feita em 2 de fevereiro deste ano e o assassinato ocorreu no dia 23 do mesmo mês. A delegada comenta que o caso tomou um desfecho inesperado após as investigações. “Paulo era funcionário da empresa e estava de folga quando foi chamado ao local por um motivo ainda que ninguém soube explicar. Um 3º funcionário que está com prisão decretada abriu a porta para o assassino que entrou e executou os disparos em desfavor do Paulo,” comentou a delegada.

A 3ª pessoa envolvida no caso, segundo a Polícia Civil, seria o suspeito Uermerson Gonçalves de Souza, vulgo Salsicha, que está foragido em Minas Gerais. “O executor já está identificado, mas ainda faltam fazer algumas diligências e nos próximos dias vamos estar representando pela prisão dele e o caso será completamente encerrado,” comentou.

Leia também:  Três são presos após extração de madeira, uso de motosserra sem licença e porte de arma de fogo

Segundo a Polícia, assim que foi descoberto o valor do seguro sendo solicitado o pedido de suspensão do pagamento da apólice. A delegada explica que Fábio já havia aberto uma conta bancária para  movimentar os valores repassados pela seguradora. “Várias ligações da Valéria pediam urgência ao banco para que fosse liberado o dinheiro. Se não fosse as investigações, eles já estariam em posse desse valor,” comenta a delegada.

Ela comenta que durante as investigações foi levantado que a maioria dos funcionários da empresa tem passagem pela Polícia e que quatro já haviam sido mortos brutalmente nos últimos cinco anos. A delegada ainda descartou a informação dos suspeitos de que era comum fazer seguro de vida dos funcionários.

Leia também:  Haitiano é detido em MT suspeito de estuprar e engravidar a prima

“A maioria dos funcionários sequer tem registro de carteira. Verificamos que o único funcionário beneficiado com esse seguro de vida foi o Paulo Sander. Nem mesmo os de confiança tinha esse benefício, eles ficaram surpresos, ainda mais com relação ao valor, é uma quantia bem expressiva,” disse a delegada.

Armas apresentadas na coletiva da operação seguro premiado - Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT
Armas apresentadas na coletiva da operação seguro premiado – Foto: Varlei Cordova/ AGORA MT

Durante a operação foram apreendidas duas armas, um em poder do casal suspeito e outro de um funcionário da empresa. “As armas apreendidas não foram usadas no crime, em razão do calibre, mas essas armas podem ter sido usadas em outros crimes”, comenta a delegada.

Ela ainda revela que há indícios de estar à frente de uma associação criminosa que vem praticando crime contra a vida e contra patrimônio. O inquérito policial deverá ser concluído até o final deste mês.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.