Imagem: violencia contra a mulherNesta a segunda-feira (28.11), às 14h, no auditório das Promotorias de Justiça de Cuiabá, o Ministério Público Estadual (MPE) realizará o lançamento do projeto ‘Homens que Agradam não Agridem’. O evento, promovido pelo Núcleo de Promotorias Especializadas no Enfrentamento da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Cuiabá, visa a conscientização da importância da participação dos homens no combate a violência doméstica através da realização de palestras, rodas de conversa, debates e distribuição de cartilhas pelo período de 2 anos.

O projeto de cidadania e educação tem como objetivo prestar aos homens de forma preventiva, educativa e reeducativa, informações, específicas sobre gênero, violência doméstica e Lei Maria da Penha. De acordo com a promotora de Justiça e coordenadora do projeto Lindinalva Rodrigues, o intuito é esclarecer, tirar dúvidas e discutir o tema.

Leia também:  Obras do 1° posto de pesagem e fiscalização iniciam na BR-163

“O Ministério Público irá até as escolas, universidades, órgãos públicos, hospitais, empresas, canteiros de obras, presídios, penitenciárias, praças, centros de reabilitação ou em qualquer outro ambiente em que estiverem presentes considerável número de homens, de todas as classes sociais. Nosso objetivo é prestar maior proteção para mulheres, por meio de ações preventivas e educativas, pois educar os homens é proteger as mulheres”.

A promotora ressalta que o cenário é grave, levantamentos estatísticos nacionais comprovam que a cada cinco minutos uma mulher é agredida no país. O Brasil é um dos cinco países com maior índice de violência contra a mulher. Um estudo detalhado sobre esse tipo de covardia denominado “mapa da violência” apontou que em 2016 em média 13 mulheres foram assassinadas por dia, uma a cada duas horas.

Leia também:  Mato Grosso fica em 2º lugar no ranking de geração de empregos em todo o Brasil

“Buscamos com esse projeto obter resultados positivos com medidas preventivas, é necessário agir em defesa dos direitos humanos e também na construção de relações igualitárias e de respeito aos direitos das mulheres, por meio da valorização do papel de homens não agressivos na sociedade. Espera-se com isso contribuir para conscientização sobre a Lei Maria da Penha e os malefícios causados pelo machismo”, destacou a representante do Ministério Público.

O projeto está sendo desenvolvido em parceria com o Tribunal de Contas do Estado, Assembleia Legislativa, Sala da Mulher e Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social – SETAS.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.