Imagem: jovem é morto pelo pai
Reprodução/Facebook

Uma discussão familiar provocou, no final da tarde desta terça-feira (15), uma tragédia em Goiânia. Após discutir com o filho de 20 anos, o engenheiro Alexandre José da Silva Neto, de 60 anos, atirou nele e em seguida contra a própria cabeça.

O assassinato foi filmado pela moradora de um prédio próximo. Após estacionar o veículo, o homem desceu do carro e foi conversar com o filho Guilherme da Silva Neto, de 20 anos, que estava sentado na calçada.

Após uma rápida discussão, o engenheiro abraçou o filho, atirou contra ele e em seguida na própria cabeça. O jovem morreu na hora. O pai chegou a ser socorrido pelos Bombeiros, mas morreu logo após dar entrada no Hugo (Hospital de Urgências de Goiânia).

Leia também:  Em disputa por tráfico de drogas quadrilha é presa suspeita de matar 28 pessoas em GO

Agentes da DIH (Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios) que estiveram no local foram informados, através do relato de testemunhas, que o assassinato teria sido motivado porque o engenheiro não queria que o filho participasse de protestos em ocupação em uma escola em Goiânia.

“Ele falou que preferia matar o filho ao vê-lo participar de um protesto”, contou uma das testemunhas ao delegado Hellyton Carvalho, adjunto da DIH, que foi quem atendeu a ocorrência.

Guilherme Neto era filho da delegada aposentada da Polícia Civil de Goiás Rosália de Moura Rosa Silva. O revólver usado no assassinato e no suicídio foi apreendido pela Polícia Civil e encaminhado para o Instituto de Criminalística.

Leia também:  Criança de 5 anos se distrai correndo atrás de pipa e morre atropelada por trem em SP
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.