A Polícia Civil informou, há pouco, que apreendeu, em um terreno, com muro alto e com cerca elétrica, no bairro Novo Jardim (que fica próximo da BR-163), carretas e cavalos mecânicos roubados. O levantamento está sendo feito um balanço deve ser divulgado nesta terça-feirta. O investigador Fladimir Dalazen informou, há pouco, que, nesta segunda-feira, policiais da Delegacia de Roubos e Furtos estiveram no local e apreenderam uma “carreta câmera fria e mais dois caminhões”.

No pátio, estão cerca de 10 carretas e cavalos mecânico que estão sendo periciados. A polícia permanece no local porque no pátio na delegacia não espaço para deixar os apreendidos e alguns estão sem baterias. Inicialmente, eles ficaram do lado de fora deste imóvel monitorando e esperando ver se chegava alguém (envolvidos) mas não houve prisões.

Leia também:  Mulher tenta entrar em presídio de Rondonópolis com droga na calcinha
Imagem: desmanche de carretas encontrada em Sinop
foto: assessoria

O investigador aponta que “eles escondiam (carretas) no pátio e também adulteravam. Tem veículo já adulterado e tem veículo em processo de adulteração”. O levantamento está sendo feito com base nas placas, numeração de chassis para constatar quantos caminhões e carretas são furtados ou roubados. “Tem caminhões aqui do Estado de Mato Grosso e de fora”, acrescentou. “A partir de agora, a perícia começa a trabalhar e vamos ver se chegamos a todos os autores.

Parte dos integrantes da quadrilha a gente já tem a identificação deles e vamos pedir as prisões. E vamos tentar localizar os proprietários a fim de ressarcir essas vítimas”, acrescentou o investigador. Ele explicou ainda que alguns proprietários não foram identificados porque a “adulteração foi muito bem feita. É um trabalho profissional”, afirmou Fladimir. A primeira carreta roubada foi identificada e apreendida na última sexta-feira.

Leia também:  Acidente com duas carretas atinge carro de família e criança de 4 anos morre em MT

Em seguida, os policiais descobriram este imóvel no Novo Jardim. Ainda de acordo com o investigador, neste terreno (que é grande) há uma casa. “Após a apreensão do primeiro caminhão, que não foi aqui nesse terreno, o pessoal que estava na residência, que cuidava do local e participava das adulterações, de imediato fez a mudança. Porém, deixaram as ferramentas utilizadas para fazer a adulteração.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.