Vereador Fulo - Messias Filho / AGORA MT
Vereador Fulo – Messias Filho / AGORA MT

O vereador Lourisvaldo Manoel de Oliveira, o Fulô (PMDB) usou a tribuna durante a sessão ordinária da Câmara Municipal realizada na tarde desta quarta-feira (23) para falar sobre as cobranças relacionadas a prestação de contas da Verba Indenizatória, no valor de R$ 10 mil para cada parlamentar da Casa, e esclarecer que a criação da mesma não foi feita por ele enquanto presidente.

Fulô informou que abordou o tema na Câmara Municipal após uma reunião para tratar sobre a “Carta da Primavera” do Conselho de Leigos da Diocese, o documento tem como intuito a transparência da utilização e prestação de contas da Verba Indenizatória.

“Ontem teve novamente uma reunião pedindo uma resposta, tudo o que é feito aqui é orientado pelo Tribunal de Contas, quando eu assumi a presidência, a 1ª coisa que eu fiz foi chamar o Observatório Social, temos o Portal da Transparência, nossa Câmara é a 2ª mais transparente de Mato Grosso, eles aprovam nossas contas, agora temos que provar contas do que? ”, indagou o presidente da Casa de Leis.

Leia também:  Após 30 anos de espera, região do Jardim Atlântico recebe rede de esgoto

Ele ainda disse que concorda que a prestação das contas, contudo de maneira que outros órgãos que também recebam a verba indenizatória tenham que se comprometer. “Então orienta a provar as contas de um jeito que o Ministério Público, o Judiciário e a Assembleia Legislativa apresentem que o próprio Tribunal apresenta, eles também têm verba indenizatória, agora é só a Câmara de Rondonópolis, porque o presidente é o Fulô? ”, questionou o parlamentar.

O vereador ainda declarou que está sendo atacado quanto a este assunto.

“Eu sou igual aos outros, só não sou rico, vim da periferia e entrei aqui pobre e vou sair depois de 24 anos pobre. Tive o privilégio de ser presidente por duas vezes em seis mandatos, do jeito que cheguei estou saindo, eu sinto que estou sendo atacado, sou presidente desta Casa e está atingindo a todos os vereadores, eu represento eles, tudo o que fazemos é orientado pelo Tribunal de Contas e temos dois controladores do TCE aqui que não deixam errar, faltam poucos dias e eu não vou errar, ” encerrou o vereador.

Leia também:  Pátio adianta que asfalto do Universitário pode custar mais de R$ 30 milhões

O vereador Mauro Campos aproveitou a fala para criticar os candidatos eleitos para a próxima gestão que utilizaram o discurso do fim da verba indenizatória. “Nós chegamos aqui e já tinha a verba indenizatória, não roubamos, nem desvíamos, sou a favor desde que acaba com a verba de todos,” comentou.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.