Nesta terça-feira (08), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Frigoríficos, segue o cronograma de reuniões ordinárias, só que desta vez a oitiva será reservada por se tratar de dados protegidos por segredo de justiça.

De acordo com a programação, a primeira fase da reunião será aberta à imprensa e público geral com a leitura dos expedientes comuns, normas e manifestações públicas dos parlamentares, posteriormente, permanecerão na sala de Comissões apenas a equipe técnica, os membros titulares da CPI e a testemunha, na terceira fase da reunião o público e imprensa terão acesso às considerações finais.

Segundo o procurador da AL-MT Francisco Brito, o procedimento para esta reunião ordinária está fundamentado pelo parecer da Procuradoria-Geral da Al-MT. “Oitivas reservadas também ocorrem no âmbito do Poder Judiciário, bem como em outras CPIs, no intuito de preservar o segredo de justiça decretado pelo Poder Judiciário, sob pena de responsabilidade criminal”, explicou o procurador.

Leia também:  Vídeos podem ser apenas uma parte de "Delação Monstruosa" de ex-governador

O presidente da CPI dos Frigoríficos, deputado estadual Ondanir Bortolini (PSD), Nininho, destaca que a CPI chegou em um estágio importante e criterioso. “Cada detalhe é essencial para que as informações sejam coletadas com eficácia e transparência. Respeitar os princípios e a legitimidade da justiça faz parte desse processo, por isso, estamos conduzindo a oitiva desta semana conforme orientação da procuradoria, assim como temos feito nas demais reuniões”, ressaltou Nininho.

O parlamentar também adiantou que o relatório preliminar deve ser entregue pela equipe técnica no mês de dezembro, após análise da procuradoria, mesmo com a prorrogação dos trabalhos aprovada pela casa de leis.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.