Imagem: ines coelhoApós a indecisão quanto quem seria o próximo prefeito de Torixoréu, o Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) acatou o recurso impetrada pela candidata Inês Moraes Mesquita Coelho (PP) e descongelou os votos dela. A decisão ainda cabe recurso, no entanto, Inês está apta para ser empossada no dia 1º de janeiro.

O município conta com cerca de seis mil habitantes que vivenciaram uma eleição um tanto singular neste ano, os dois candidatos que disputavam a Prefeitura estavam com o registro de candidatura indeferido por não terem cumpridos os prazos para desincompatibilização de servidores públicos e agentes políticos, previsto na legislação.

No voto, Inês venceu por 1.520 votos contra 1.276 do candidato a prefeito, o pecuarista Sílvio Figueiredo (PSDB). Entretanto com as impugnações, o município não teve nenhum voto considerado válido para o cargo.

Leia também:  Vereadores aprovam "Moção de Repúdio" contra presidente da Assembleia Legislativa

A candidata Inês Coelho (PP) substituiu o marido dela e ex-prefeito do município Odono Coelho na disputa pelo pleito após ele ter o registro indeferido pela Justiça Eleitoral por ter sido cassado do cargo de chefe do executivo. Conforme as acusações levadas ao TRE-MT para ela concorrer, era necessário que o marido tivesse se afastado de forma definitiva do cargo de prefeito no mínimo seis meses antes do pleito, ou seja, em abril.

A candidata recorreu ao TRE da decisão do juiz da 47ª Zona Eleitoral de Barra do Garças, Wagner Plaza Machado Júnior alegando que Odoni Coelho estava afastado do cargo deste 16 de março do presente ano.

Leia também:  PSB apresenta novo presidente do Partido em Rondonópolis

Contudo, na última sexta-feira (4), o desembargador e relator do processo Rodrigo Roberto Curvo acatou o parecer do procurador regional eleitoral e opinou pelo provimento do recurso de Inês acolhendo as provas de que Odoni já estava afastado do cargo dentro do prazo previsto e validando os votos da candidata obtidos no dia 2 de outubro. Desta forma, Inês foi declarada eleita.

Caso a Justiça não decidisse por nenhum dos candidatos a assumir o cargo, novas eleições seriam convocadas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.