Imagem: Os classicados no concurso da Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Os classificados no concurso da Prefeitura Municipal de Rondonópolis – Foto: Ronaldo Teixeira/AGORAMT

Representantes dos aprovados e classificados no concurso público realizado pela Prefeitura de Rondonópolis em maio deste ano estiveram na tarde desta terça-feira (6) reunidos com o prefeito municipal Percival Muniz (PPS) para saber qual o posicionamento o gestor irá tomar diante da recomendação do Ministério Público. Em entrevista, o chefe do executivo informou que está buscando junto ao órgão a “permissão” temendo enfrentar a descontinuidade dos serviços públicos municipais.

De acordo com Márcia Casali, aprovada para o cargo de assistente social, o objetivo da reunião é que tenha um esclarecimento para os aprovados para saber se serão chamados ou não. “Foi divulgado que haveria a convocação dia 2 deste mês, teve a recomendação do MP para não chamar, no entanto, o mesmo órgão propôs um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para que fosse realizado o concurso”, comentou Casali.

Outra preocupação deles é quanto aos serviços porque os contratos então em período de encerramento. “Não vai poder contratar agora como vão ficar os serviços para a população? Alguém terá que oferecer esse serviço, ” argumentou Geisyanne Borges, aprovada para o cargo de enfermeira.

Leia também:  3ª Feciti começa nesta segunda com lançamento do Parque Tecnológico
Imagem: Percival Muniz fala aos classicados no concurso da Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Percival Muniz fala ao grupo de concursados e classificados no certame de maio de 2016 – Foto: Ronaldo Teixeira/AGORAMT

O prefeito Percival Muniz explicou que devido ao período de três meses antes e após a eleição ele não pode nomear os aprovados, mas que gostaria de chama-los para que neste período, os próprios pudessem no prazo de 30 dias apresentar a documentação.

“Quando chamo, eles têm 30 dias, é direito do funcionário aprovado apresentar a documentação, o que eu não posso é nomear, mas já posso ir adiantando quando eu convoco através de ato. Quando chegar em janeiro já passou os três meses o prefeito eleito dá posse e já tem servidores prestando serviços para a população, foi o que me programei para fazer, mas a equipe de transição do prefeito eleito foi no MP, disse que não gostaria que esse concurso fosse chamado, o MP fez a recomendação, ” contestou Muniz.

Leia também:  Preço do aluguel cai nos últimos meses em Rondonópolis| TV Agora

Para ele, se deixar para o próximo prefeito chamar no mês de janeiro, muitos órgãos ficaram carentes de funcionários

“Não tem alternativa, serviço público só através de funcionário público,  para mim é até cômodo não chamar, só que as unidades de saúde funcionando corre o risco de vida, estou recomendando antes de tomar a decisão a todas as autoridades o risco que o município corre de ficar sem funcionários qualificados, não vai aumentar em nada a despesa estão ou estavam de forma irregular e orçamento estava previsto, eu vou tentar convencer o Ministério Público a desistir da recomendação já que há três anos eles me notificaram a fazer o concurso,” encerrou o prefeito.

Imagem: Paulo José
Paulo José diz que os concursados vão ser chamados -Foto: Ronaldo Teixeira/AGORAMT

Outro lado

De acordo com Paulo José, coordenador da equipe de transição e representante do prefeito eleito, foi solicitado que não fizesse a convocação dos aprovados neste momento para inicialmente saber qual o impacto os servidores trariam na folha de pagamento do município. Ele adiantou que a ideia é que fossem chamados 1.200 aprovados e classificados, enquanto, o edital previa 326 vagas.

Leia também:  Metello vai à Câmara e nega irregularidades em contrato

“Nós temos menos de 30 dias, estamos trabalhando nessas reuniões de transição, ainda não temos os dados corretos da folha e a capacidade que o município tem de gestão, ano que vem terá reposição salarial dos servidores, como está próximo de acabar a gestão não seria conveniente para nós que chamasse todos os servidores aprovados no concurso, uma vez que não sabemos qual será o real impacto na folha de pagamento do município”, comentou.

Ele adianta que a lei eleitoral impede que haja o aumento de despesas neste período e afirmou que o prefeito eleito Zé Carlos do Pátio irá chamar os concursados conforme o potencial do município.

Para os serviços do município, ele explicou que estão sendo buscadas parcerias, como do Consórcio Regional de Saúde e de outros setores para que auxiliem até que sejam chamados os aprovados.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.