Imagem: CHIA
Foto: Reprodução

Apesar de não ter achado indícios diretos de que o cereal emagrece — um dos poderes creditados a ele —, a nutricionista Rafaela Marineli descobriu motivos tão ou mais bacanas para investir no alimento. Em sua tese de doutorado, conduzida na Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista, a expert constatou que o consumo da semente e de seu óleo reverteu algumas complicações da obesidade em cobaias.

“Houve redução na resistência à ação da insulina, o que facilita o aproveitamento da glicose, e uma melhora no estado inflamatório, entre outros benefícios”, descreve Rafaela. Essas mudanças são críticas para afastar o diabete e blindar o sistema cardiovascular.
“Embora tenha sido feito com animais, o trabalho nos dá subsídios para incentivar a inclusão do alimento na rotina”, completa. O óleo, que fez sua estreia em uma experiência desse tipo, é indicadíssimo para regar saladas.

Leia também:  Câncer: hábitos que contribuem até para o sucesso do tratamento
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.