A advogada Ana Paula Peniche tomou um susto na última terça-feira (27) quando um entregador bateu à sua porta trazendo onze sanduíches cheese bacon completos, com salada de tomate, alface, repolho e cebola. Sem que ela soubesse, o lanche exagerado havia sido encomendado pelo seu filho Pedro, de 4 anos, que pegou o celular da mãe e, sem que ela percebesse, usou um aplicativo para pedir a comida.

Imagem: menino pede 11 sanduíches escondido da mãe
Foto: Ana Paula Peniche / Arquivo Pessoal

“Tomamos um susto com a situação. O entregador começou a tirar os sanduíches do isopor e disse que haviam pedido”, conta a advogada. “Eu fiquei atônita e meu marido disse que não havia sido ele. Olhei para o Pedro e ele disse: ‘eu pedi, deu certo?’. Ele estava feliz e eu desabei. Chorei com a situação”, relembra.
Ana Paula decidiu assumir a conta, mas pensou em mecanismos para diminuir o prejuízo. “A casa empestou com o cheiro de sanduíche. Eu não queria olhar para os sanduíches. Liguei para a minha irmã e pedi ajuda, para ela me socorrer e levar alguns e me pagar depois, para diminuir o meu prejuízo. Ela ficou com um, o namorado da minha irmã comeu mais dois, e os meus pais ficaram com outros dois”.

Leia também:  Garota de 12 anos mata tio com facada para proteger irmã grávida no PR

O perigo dos aplicativos

Imagem: valor dos lanches ficaram mais de 150 reais
Foto: Reprodução/ Facebook

Segundo a advogada, o exagero foi um erro de cálculo do menino. “Ele não comprou para ele. Ele disse que nos queria fazer felizes. Ele queria dar oito para o pai dele, dois para mim e só ficaria com um. O pai dele é grandão, tem 1,92, e o Pedro acha que ele come muito”.

Só que, no final das contas, Pedro acabou sem comer o seu cheese bacon. “Ele não comeu porque o clima lá em casa ficou de tristeza. Eu disse que eu tinha gastado todo o nosso dinheiro com os sanduíches. Ele, na sua inocência, disse que era apenas R$ 11, pois eram 11 lanches, e me deu R$ 2, que havia ganhado de Natal, para pagar a conta”.

Leia também:  Médico se irrita e agride paciente que aguardava atendimento com chutes na cabeça

Depois do susto, ficou a lição. Ana Paula conversou com o menino, que entendeu o que havia ocorrido, e decidiu tornar a história pública na internet, para orientar outros pais de crianças pequenas. “Ele, na cabecinha dele, disse que entendeu, que nunca mais ia fazer isso. Eu o abracei, depois dessa promessa”.

Apesar disso, a mãe também tomou precauções para que o problema não se repita. “Apaguei todos os aplicativos de compras e transferências bancárias. Enjoei de x-bacon, não quero ver tão cedo”, confessa.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.