Imagem: cyborgApós Dana White ter revelado que Cris Cyborg recusou duas ofertas para disputar o cinturão peso-pena feminino do UFC, contra Holly Holm e Germaine de Randamie, a lutadora veio a público dar a sua versão da história. Em resposta ao pedido de entrevista do Combate.com, a lutadora enviou um texto em inglês explicando toda a situação. Cyborg disse que não trabalha mais com o nutricionista George Lockhart, contou o que aconteceu com ela após o UFC Brasília, falou dos problemas de saúde enfrentados nos dias que se seguiram à luta contra Lina Lansberg e revelou estar passando por uma “depressão grave”, o que a impede de treinar como deveria, ou passar por um novo corte de peso.

Leia abaixo o comunicado enviado por Cyborg:

“No meu último corte de peso eu quase morri. Eu estava na banheira cortando peso, e eu pensei, ‘vou morrer nesta banheira.’ Foi o pior corte de peso na minha vida. Meu nutricionista, George Lockhart, que, aliás, é um funcionário do UFC, não fez um trabalho eficaz com esta pílula anticoncepcional que ele indicou, dizendo que me ajudaria. Mas graças a Deus, fui guerreira e bati o peso, cortando 11 kg em uma semana. Meu corpo estava retendo muita água. A última vez que falei com George Lockhart foi no vestiário antes da minha luta. Ele desapareceu depois da luta. Năo vou mais trabalhar com ele.

Leia também:  1ª Paraolimpíada deve contar com 139 alunos em Rondonópolis

Pela primeira vez eu não aqueci no vestiário como eu faço para cada luta porque estava muito fraca. Eu estava apenas orando a Deus e fui para a luta, e, mais uma vez, Deus me deu a vitória. Depois de tudo isso, voltei para minha cidade natal no domingo e fiquei doente no domingo. Minha mãe me deu chá e eu adormeci. No dia seguinte, como sempre faço depois das minhas lutas, fiz exames de sangue para ver se tudo estava bem depois de um terrível corte de peso. E pela primeira vez, as enfermeiras não podiam tomar meu sangue. Ele estava tão grosso que não saía, então não poderíamos fazer testes. Fiquei em tratamento por dez dias com o Dr. Ulisseia. Eu estava em observação porque estava me sentindo doente o tempo todo.

Leia também:  Torneios esportivos devem movimentar o fim de semana em Rondonópolis

Você pode ver que eu não dar entrevistas depois da luta. Eu disse à PR do ao UFC Brasil, Lilian Caparroz, que queria cancelar todas as minhas entrevistas e não podia viajar. Depois de tudo isso, em casa, eu decidi que não iria mais lutar com esse peso (63kg), e que eu só lutaria na minha divisão. E só com 12 semanas de antecedência. Para a minha última luta, eles me deram oito semanas para me preparar.

Recebi uma ligação do UFC me oferecendo outra luta em peso-casado, e eu disse que eu não iria lutar com este peso mais. Eu precisava de uma pausa para recuperar a minha saúde normal, porque meu corpo estava fraco, eu estava anêmica.

Leia também:  Com vitória de Grêmio, Renato Gaúcho se torna o 1° brasileiro a vencer as Libertadores como jogador e técnico

Depois disso, eles me convidaram para lutar novamente, mas desta vez com o meu peso e valendo o cinturão, mas com dez semanas de antecedência. Sabendo que eu estava me recuperando, como eu disse, eu disse a eles que eu poderia lutar contra qualquer pessoa em março, mas preciso cuidar do meu corpo, para não citar o fato de que eu estou lidando com depressão grave, e não posso passar por outro corte de peso brutal como antes. Esta decisão é mais importante do que o cinturão ou a divisão, estou pensando na minha saúde.

Agradeço aos meus fãs. Nós conseguimos! Logo estarei lutando na minha divisão, onde sou a campeã do mundo. Vocês e Deus são leais. Eu estarei pronta para lutar contra qualquer uma em março.”

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.