Imagem: cyborgApós Dana White ter revelado que Cris Cyborg recusou duas ofertas para disputar o cinturão peso-pena feminino do UFC, contra Holly Holm e Germaine de Randamie, a lutadora veio a público dar a sua versão da história. Em resposta ao pedido de entrevista do Combate.com, a lutadora enviou um texto em inglês explicando toda a situação. Cyborg disse que não trabalha mais com o nutricionista George Lockhart, contou o que aconteceu com ela após o UFC Brasília, falou dos problemas de saúde enfrentados nos dias que se seguiram à luta contra Lina Lansberg e revelou estar passando por uma “depressão grave”, o que a impede de treinar como deveria, ou passar por um novo corte de peso.

Leia abaixo o comunicado enviado por Cyborg:

“No meu último corte de peso eu quase morri. Eu estava na banheira cortando peso, e eu pensei, ‘vou morrer nesta banheira.’ Foi o pior corte de peso na minha vida. Meu nutricionista, George Lockhart, que, aliás, é um funcionário do UFC, não fez um trabalho eficaz com esta pílula anticoncepcional que ele indicou, dizendo que me ajudaria. Mas graças a Deus, fui guerreira e bati o peso, cortando 11 kg em uma semana. Meu corpo estava retendo muita água. A última vez que falei com George Lockhart foi no vestiário antes da minha luta. Ele desapareceu depois da luta. Năo vou mais trabalhar com ele.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana

Pela primeira vez eu não aqueci no vestiário como eu faço para cada luta porque estava muito fraca. Eu estava apenas orando a Deus e fui para a luta, e, mais uma vez, Deus me deu a vitória. Depois de tudo isso, voltei para minha cidade natal no domingo e fiquei doente no domingo. Minha mãe me deu chá e eu adormeci. No dia seguinte, como sempre faço depois das minhas lutas, fiz exames de sangue para ver se tudo estava bem depois de um terrível corte de peso. E pela primeira vez, as enfermeiras não podiam tomar meu sangue. Ele estava tão grosso que não saía, então não poderíamos fazer testes. Fiquei em tratamento por dez dias com o Dr. Ulisseia. Eu estava em observação porque estava me sentindo doente o tempo todo.

Leia também:  Academia e União vão disputar o Estadual Sub-17

Você pode ver que eu não dar entrevistas depois da luta. Eu disse à PR do ao UFC Brasil, Lilian Caparroz, que queria cancelar todas as minhas entrevistas e não podia viajar. Depois de tudo isso, em casa, eu decidi que não iria mais lutar com esse peso (63kg), e que eu só lutaria na minha divisão. E só com 12 semanas de antecedência. Para a minha última luta, eles me deram oito semanas para me preparar.

Recebi uma ligação do UFC me oferecendo outra luta em peso-casado, e eu disse que eu não iria lutar com este peso mais. Eu precisava de uma pausa para recuperar a minha saúde normal, porque meu corpo estava fraco, eu estava anêmica.

Leia também:  Federação e clubes definem detalhes da Copa FMF

Depois disso, eles me convidaram para lutar novamente, mas desta vez com o meu peso e valendo o cinturão, mas com dez semanas de antecedência. Sabendo que eu estava me recuperando, como eu disse, eu disse a eles que eu poderia lutar contra qualquer pessoa em março, mas preciso cuidar do meu corpo, para não citar o fato de que eu estou lidando com depressão grave, e não posso passar por outro corte de peso brutal como antes. Esta decisão é mais importante do que o cinturão ou a divisão, estou pensando na minha saúde.

Agradeço aos meus fãs. Nós conseguimos! Logo estarei lutando na minha divisão, onde sou a campeã do mundo. Vocês e Deus são leais. Eu estarei pronta para lutar contra qualquer uma em março.”

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.