Equipes resgatam 15 corpos dos 92 que morreram em acidente aéreo
ACIDENTE AÉREO

Equipes resgatam 15 corpos dos 92 que morreram em acidente aéreo

Nesta quarta-feira, quinze corpos e 239 fragmentos foram resgastados na área do Mar Negro, onde caiu um avião militar russo.
Imagem: BBxEolm
Foto: Reprodução – Homenagens às vítimas do acidente aéreo na Rússia

As equipes de resgate recuperaram, nesta quarta-feira, quinze corpos e 239 fragmentos na área do Mar Negro, onde caiu um avião militar russo Tupolev-154 no último domingo, segundo o Ministério da Defesa da Rússia. O acidente matou as 92 pessoas que estavam a bordo.

De acordo com o governo russo, treze corpos e 168 fragmentos já foram levados ao Centro de Medicina Legal em Moscou para sua identificação e análise genética. Além disso, as equipes de resgate que trabalham pelo quarto dia consecutivo na área do acidente e encontraram hoje a segunda caixa-preta da aeronave.

A primeira caixa-preta, que registra os parâmetros de voo, foi recuperada na terça-feira (27) e os especialistas já começaram a trabalhar em sua leitura.

Leia também:  Terremoto no México deixa mais de 200 mortos e dezenas de desaparecidos

Os primeiros dados obtidos pelos peritos ainda não permitiram antecipar uma hipótese prioritária sobre as causas do acidente, disse à agência oficial RIA Novosti uma fonte próxima à investigação. Segundo essa fonte, a comissão investigadora trabalha com uma série de motivos que podem ter causado o acidente do Tu-154: revisão ineficiente da aeronave, mal funcionamento dos “flaps”, erro de pilotagem, atentado terrorista, entre outras.

Participam das buscas pelos corpos das vítimas do acidente e de fragmentos do avião 46 embarcações, mais de trinta aviões e helicópteros, que já rastrearam uma superfície de 340 quilômetros quadrados, informou hoje o Ministério para Situações de Emergência da Rússia.

Leia também:  Embaixador da Coreia do Norte diz que guerra nuclear pode começar 'a qualquer momento'

Uma fonte policial citada pela agência de notícias “Interfax” revelou que cerca de 30% dos destroços do avião já foram retirados do fundo do mar.

“Os meteorologistas preveem uma piora do tempo. Se houver crescimento das ondas, os trabalhos serão suspensos”, acrescentou a fonte.

A bordo da aeronave estavam seus oito tripulantes, 64 integrantes do grupo de música e dança Alexandrov do exército russo, nove jornalistas, outros oito militares, dois funcionários e a médica renomada Elizaveta Glinka, presidente de uma fundação humanitária.

Os artistas militares viajavam à Síria para participarem de uma apresentação de Ano Novo na base área de Khemeimim, em Latakia, no litoral sírio, onde a Rússia mantém um grupo de aviões de guerra.

Leia também:  Pela 1° vez na história da Índia uma mulher é nomeada a ser ministra de Defesa
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.