A crise que assola a Venezuela não deixou de afetar os hospitais, onde a escassez de material sanitário e remédios e, em alguns casos, as paupérrimas condições de atendimento, são o pesadelo de pacientes que não podem pagar por consultas particulares.

Instalações deterioradas, equipamentos danificados e banheiros “contaminados” que obrigam pacientes, familiares e funcionários a compartilharem os que funcionam, são algumas das deficiências de vários centros médicos públicos venezuelanos.

No Hospital Dr. José María Vargas, um dos mais importantes de Caracas, um menino de 13 anos “parece” estar com dengue porque tem erupções na pele, e “parece”, segundo Eneida Suárez, sua mãe, porque o hospital não conta com o reagente nem o material para realizar o exame e diagnosticá-lo.
“Tenho que comprar dois tubos, um verde e um roxo, para ele fazer os exames. Este exame tem que ser feito em outro hospital. Enquanto isso, me disseram para dar a ele paracetamol”, relatou Eneita à Agência Efe.

Leia também:  Telejornalismo da Globo recebe duas indicações ao Emmy Internacional 2017
Imagem: hospitais em precariedade na Venezuela
Foto: Rodrigo Abd/AP

“Há pacientes que precisam de intervenção cirúrgica e foram encaminhados ao (Hospital) Pérez Carreño, ao Universitário, porque o hospital não conta com o material necessário para atendê-los”, afirmou Golindano, que também é coordenador da ONG venezuelana Médicos pela Saúde.
No entanto os hospitais aos quais os pacientes são enviados não estão necessariamente em ótimas condições.

O hospital Dr. Miguel Perez Carreño, também no oeste de Caracas, sofre de falta de leitos, segundo familiares de pacientes que chegaram a este centro em busca de atendimento.
Hospital Ana Francisca Pérez de León I, situado nos arredores da favela de Petare, a maior da Venezuela, só aceita pacientes em casos de emergência. Segundo um funcionário da segurança, pela proximidade com a favela, o hospital atende majoritariamente a pessoas feridas por armas de fogo, enquanto o Pérez de León II, criado ao lado em 2012, tem consultas de várias especialidades, mas não atende este tipo de emergência.

Leia também:  Médicos Chilenos são filmados comemorando partida de futebol durante cirurgia

A crise também afeta o Hospital Dr. Domingo Luciani, que fica a poucos quilômetros do Pérez de León, onde os acompanhantes das pessoas internadas têm que esperar do lado de fora das instalações até serem chamados para entrar nos quartos.
Uma situação parecida com a do Hospital Universitário de Caracas, onde os familiares dormem à noite nos arredores do centro de saúde.

Mas não só os pacientes sofrem pela situação dos hospitais; as equipes médicas também enfrentam a frustração de não terem as ferramentas necessárias para atender.
A crise não se limita ao atendimento, já que, quando o paciente não sobrevive, os necrotérios de alguns hospitais têm dificuldades para preservar os corpos.

Leia também:  Homem é preso por escravizar sexualmente 6 irmãs após denúncia de vizinhos nos EUA
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.