Imagem: Medeiros
Foto: assessoria

Após ouvir todas as reivindicações dos quase 100 alunos das três turmas do curso de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus de Rondonópolis, o senador José Medeiros (PSD-MT) marcou reunião e foi recebido pelo ministro da Educação, Mendonça Filho, nesta quinta-feira (01.12), para repassar diretamente ao governo federal os motivos da insatisfação dos discentes. Aproveitando a oportunidade, Medeiros também requisitou a ida do curso de Medicina também para a UFMT de Barra do Garças.

Sobre o primeiro caso, o ministro recebeu das mãos do senador um documento repassado pelos próprios alunos, que em reunião com professores e outros profissionais ligados ao curso definiram quais são as prioridades de atenção no curso. Para Medeiros, apesar do momento de instável do ponto de vista orçamento que vive a União, as notícias são esperançosas quanto a possibilidade de um desfecho positivo para as demandas. “Alertamos o ministro sobre o risco real até de fechamento do curso, da insatisfação dos alunos e ele ficou realmente comovido. Tratam-se de estudantes na nobre luta de querer realmente estudar. Confesso que eles ganharam muito a minha simpatia quando foram um dos principais grupos a dizer não a tentativa de ocupação da UFMT de Rondonópolis, proposta certamente por gente não tão amante dos estudos quanto eles”, comentou.

Leia também:  Demolição provoca guerra de vídeos nas redes sociais entre suplente e vereador

Quanto a solução dos dois principais pedidos dos alunos: a retomada e finalização das obras das alas para atender a estrutura do curso, além da contratação de novos professores, o senador explicou que a saída está em duas frentes. “Em relação a obra, o MEC procederá com um levantamento detalhado da razão da paralisação, até para que tenhamos a noção de como atuar na retomada. Já sobre os professores, já existe um encaminhamento no Ministério do Planejamento para ser possível tais reforços no quadro. Já marcamos reunião lá para cobrar que saia esta autorização o quanto antes”, destacou.

Barra do Garças – Ao lado do diretor da Universidade Cathedral, Sandro Saggin, do município de Barra do Garças, o senador solicitou também duas demandas da cidade ao ministro. A primeira referente a expansão do renomado curso de direito da unidade e o segundo pela sonhada vinda do curso de Medicina para a UFMT de Barra. “Hoje a oferta anual para o curso de direito da Cathedral, reconhecido como um dos melhores do Centro-Oeste pelo próprio MEC, é de 160 vagas e o pleito é que vá para 300, até porque estamos falando de um curso que chega atender um público de quase 40 cidades. Quanto ao curso de Medicina, o limitador era o número de habitantes de Barra que travava. O ministro, porém, nos informou que as regras devem mudar e cria-se a chance muito grande de termos esta boa notícia”, finalizou Medeiros.

Leia também:  Vereador Thiago Silva quer informatização da rede municipal de Saúde
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.