Imagem: LulaO ex-presidente Lula foi denunciado pelo Ministério Público na operação Zelotes, que investiga um grande esquema de sonegação de impostos e compra e venda de medidas provisórias.

Os documentos que servem de base para a denúncia do Ministério Público Federal são da operação Zelotes e também da Lava Jato e tratam da compra dos caças suecos Gripen para a FAB e de uma medida provisória que beneficiou montadoras de carros com incentivos fiscais.

De acordo com o Ministério Público Federal, Lula, depois de deixar a presidência da República, fazia parte do esquema que vendia a promessa de que ele poderia influenciar, junto à então presidente Dilma Rousseff, para beneficiar as empresas MMC e Grupo Caoa – montadoras de veículos – e a Saab, fabricante dos caças.

As três empresas eram clientes da Marcondes e Mautoni Empreendimentos e Diplomacia Limitada, a M&M. Em troca, Mauro Marcondes e Cristina Mautoni, donos da M&M, repassaram, segundo a denúncia, mais de R$ 2,5 milhões ao filho de Lula.

Leia também:  Governador, diretores e prefeito de Rondonópolis realizam reunião fechada e não falam com a imprensa

Segundo a denúncia, o projeto de um dos serviços que teria sido prestado pela empresa do filho do ex-presidente Lula foi copiado da internet. A contratação, segundo a investigação, era a forma de lavar dinheiro.

Os procuradores afirmam que Lula usou sua influência para enriquecimento dele e de familiares e que recebeu dinheiro por intermédio do filho Luís Cláudio, tornando-o um milionário em um intervalo de apenas 9 meses – de junho de 2014 a março de 2015, com uma evolução patrimonial de 770%, sem explicação lícita.

O ex-presidente Lula foi denunciado por tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Luís Cláudio Lula da Silva por lavagem de dinheiro e organização criminosa; e os empresários Mauro Marcondes e Cristina Mautoni, que chegaram a ser presos, foram denunciados por tráfico de influência, lavagem de dinheiro, organização criminosa e evasão de divisas.

Leia também:  Rodrigo da Zaeli recebe pedido de lideranças comunitárias da região Salmen

Os crimes ocorreram, de acordo com o Ministério Público, de 2013 a 2015. Porém, as investigações não encontraram indícios de que a ex-presidente Dilma Rousseff soubesse do esquema. A Justiça Federal ainda tem que decidir se aceita a denúncia e abre ação penal. Lula já é réu em três ações, é alvo de uma denúncia, quatro inquéritos no Supremo Tribunal Federal, na Justiça Federal em Brasília e no Paraná.

A defesa do ex-presidente Lula disse que não teve acesso à denúncia e afirmou, ainda, que nem o ex-presidente, nem o filho dele, participaram ou tiveram conhecimento de qualquer ato relacionado à compra dos aviões Gripen e que Luiz Claudio recebeu da Marcondes e Mautoni remuneração por trabalhos efetivamente realizados.

Leia também:  Vereador busca solução para fechamento de UTI Pediátrica

O Instituto Lula afirmou que a ação é mentirosa e ofensiva ao ex-presidente, à família dele e às empresas citadas. E que não aponta nenhuma conduta criminosa do ex-presidente ou de qualquer autoridade citada e não diz como teria sido a suposta influência na tramitação de medidas provisórias.

A defesa de Cristina Mautoni e de Mauro Marcondes declarou que o interesse do Ministério Público Federal é atingir o ex-presidente Lula. E que não há nada que diga que a compra das aeronaves tenha sido feita por meio de irregularidades.

A Saab afirma que coopera com autoridades investigativas para garantir um negócio honesto e correto e ressalta que não há denúncias contra a empresa ou qualquer de seus colaboradores.

O Jornal da Globo não conseguiu retorno da Caoa. E a MMC não vai se manifestar.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.