Imagem: casos de microcefalia
Foto: Reprodução

Mato Grosso registrou nesta semana mais três casos de bebês com microcefalia. De acordo com os dados da Secretaria do Estado de Saúde do dia 26 de novembro já são 341 notificações em 55 municípios, mas as cidades com maiores índices são Rondonópolis, Cáceres e Cuiabá.

A equipe da Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde esclarece que utiliza as definições vigentes no Protocolo do Ministério da Saúde para confirmar ou descartar os casos suspeitos.

O Ministério considera um caso confirmado após análise clínica radiológica ou laboratorial. De acordo com o Protocolo, a investigação da causa da microcefalia é realizada somente nos casos notificados que apresentem características sugestivas de infecção congênita, para a identificação da infecção pelo vírus Zika, entre outros agentes infecciosos.

Leia também:  Gengibre ajuda na saúde, prevenindo o câncer e reduzindo medidas

Alteração do perímetro cefálico
O Ministério da Saúde mudou, seguindo recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o critério para considerar bebês com microcefalia. A medida do perímetro cefálico em recém-nascidos passou de 32 cm para 31,9 cm em meninos e 31,5 cm em meninas.

Em dezembro, o parâmetro para diagnóstico da doença já havia diminuído, passando de 33 cm para 32 cm. As alterações têm como objetivo padronizar as referências para todos os países, valendo para bebês nascidos com 37 ou mais semanas de gestação.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.