A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que o mês de fevereiro será mantida a bandeira tarifária verde, ou seja, sem cobranças extra dos consumidores. Em nota a Aneel informou que a condição hidrológica favorável que consta do Programa mensal de operação (PMO) do operador Nacional do Sistema (ONS), possibilitou o acionamento de térmicas com custo operacional reduzido, chamadas de custo variável unitário (CVU) abaixo de R$ 211.28 por megawatt-hora (R$MWH)

Para você que não entende muito bem o que é bandeira tarifária, vamos lá! As contas de energia passaram a funcionar no ano de 2015 com o sistema de bandeiras tarifárias. Pelo modelo, as bandeiras, com as cores verde, amarela e vermelha, indicam as condições de geração de energia no país e funcionam como um “semáforo de trânsito” – sinalizando o custo de geração de energia para o consumidor.

Leia também:  Imposto será zerado para equipamentos e produtos de informática importados

O sistema vale para maior parte do país, exceto os estados do Amazonas, Amapá e Roraima, que ainda não estão interligados com o sistema nacional de energia elétrica.

As bandeiras tarifárias são definidas mensalmente e são informadas na própria conta de luz. Se elas estiverem na cor verde, a tarifa não sofre nenhum acréscimo. Com a cor amarela, o aumento é de R$ 1,50 para cada 100 kWh consumidos no mês.

Segundo a Aneel existem também as bandeiras vermelhas, que vigoraram ao longo do mês de janeiro e iria continuar em fevereiro, elas indicam que está muito caro gerar energia no país, devido ao uso das termelétricas (usinas movidas a combustíveis como óleo e gás, e que são mais caras). Nessa condição, o consumidor paga R$ 3 para cada 100 kWh de energia usados no mês.

Leia também:  Saques do FGTS inativo encerram na segunda-feira

Um cliente residencial da Eletropaulo, em São Paulo, por exemplo, que pagava R$ 100 para um consumo mensal de cerca de 240 quilowatts-hora (kWh), passou a pagar, com a bandeira vermelha, pelo menos R$ 106 para a mesma quantidade de consumo.

Significado de cada cor

Imagem: Bandeira Tarifária
Foto: Ilustrativa

A bandeira verde significa “custos baixos” para gerar a energia e nenhum acréscimo na tarifa. A bandeira amarela, por sua vez, indica um sinal de atenção, pois os custos de geração estão aumentando. Já a bandeira vermelha sinaliza que a oferta de energia para atender a demanda dos consumidores ocorre com maiores custos de geração, como, por exemplo, o acionamento de grande quantidade de termelétricas para gerar energia, que é uma fonte mais cara do que as usinas hidrelétricas.

Entenda como adequar o consumo ao preço

Leia também:  Empresas do Canadá buscam brasileiros para trabalhar no país

Com as bandeiras, há, portanto, uma sinalização mensal do custo de geração da energia elétrica que será cobrada do consumidor, com acréscimo das bandeiras amarela e vermelha. Essa sinalização dá, ao consumidor, a oportunidade de adaptar seu consumo, se assim desejar.

Segundo a Energisa “O sistema de bandeiras é para o consumidor poder reagir ao momento de preço. Para o consumidor conhecer quanto está custando naquele momento e consumir de uma maneira consciente. A cor da bandeira em vigor no mês da cobrança é impressa na conta de luz e indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a energia de hidrelétricas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.