A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que o mês de fevereiro será mantida a bandeira tarifária verde, ou seja, sem cobranças extra dos consumidores. Em nota a Aneel informou que a condição hidrológica favorável que consta do Programa mensal de operação (PMO) do operador Nacional do Sistema (ONS), possibilitou o acionamento de térmicas com custo operacional reduzido, chamadas de custo variável unitário (CVU) abaixo de R$ 211.28 por megawatt-hora (R$MWH)

Para você que não entende muito bem o que é bandeira tarifária, vamos lá! As contas de energia passaram a funcionar no ano de 2015 com o sistema de bandeiras tarifárias. Pelo modelo, as bandeiras, com as cores verde, amarela e vermelha, indicam as condições de geração de energia no país e funcionam como um “semáforo de trânsito” – sinalizando o custo de geração de energia para o consumidor.

Leia também:  Bloqueio de verbas não consegue mais conter aumento da dívida pública

O sistema vale para maior parte do país, exceto os estados do Amazonas, Amapá e Roraima, que ainda não estão interligados com o sistema nacional de energia elétrica.

As bandeiras tarifárias são definidas mensalmente e são informadas na própria conta de luz. Se elas estiverem na cor verde, a tarifa não sofre nenhum acréscimo. Com a cor amarela, o aumento é de R$ 1,50 para cada 100 kWh consumidos no mês.

Segundo a Aneel existem também as bandeiras vermelhas, que vigoraram ao longo do mês de janeiro e iria continuar em fevereiro, elas indicam que está muito caro gerar energia no país, devido ao uso das termelétricas (usinas movidas a combustíveis como óleo e gás, e que são mais caras). Nessa condição, o consumidor paga R$ 3 para cada 100 kWh de energia usados no mês.

Leia também:  Vendas de veículos aumentam 49% em MT

Um cliente residencial da Eletropaulo, em São Paulo, por exemplo, que pagava R$ 100 para um consumo mensal de cerca de 240 quilowatts-hora (kWh), passou a pagar, com a bandeira vermelha, pelo menos R$ 106 para a mesma quantidade de consumo.

Significado de cada cor

Imagem: Bandeira Tarifária
Foto: Ilustrativa

A bandeira verde significa “custos baixos” para gerar a energia e nenhum acréscimo na tarifa. A bandeira amarela, por sua vez, indica um sinal de atenção, pois os custos de geração estão aumentando. Já a bandeira vermelha sinaliza que a oferta de energia para atender a demanda dos consumidores ocorre com maiores custos de geração, como, por exemplo, o acionamento de grande quantidade de termelétricas para gerar energia, que é uma fonte mais cara do que as usinas hidrelétricas.

Entenda como adequar o consumo ao preço

Leia também:  Anatel multa Telefônica em R$ 15 milhões

Com as bandeiras, há, portanto, uma sinalização mensal do custo de geração da energia elétrica que será cobrada do consumidor, com acréscimo das bandeiras amarela e vermelha. Essa sinalização dá, ao consumidor, a oportunidade de adaptar seu consumo, se assim desejar.

Segundo a Energisa “O sistema de bandeiras é para o consumidor poder reagir ao momento de preço. Para o consumidor conhecer quanto está custando naquele momento e consumir de uma maneira consciente. A cor da bandeira em vigor no mês da cobrança é impressa na conta de luz e indica o custo da energia elétrica, em função das condições de geração de eletricidade.

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a energia de hidrelétricas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.