O 67º Campeonato Intercolonial Brasileiro de Tênis de Mesa começa nesta sexta-feira (20), às 08h, e segue até domingo (22), no Ginásio Poliesportivo Professor Aecim Tocantins, no Complexo da Arena Pantanal, em Cuiabá-MT. Com envolvimento direto de 900 pessoas, nove unidades federativas, injeção de quase um milhão na economia da capital, atletas da seleção brasileira e portas abertas com entrada gratuita para toda a população.

De acordo com o presidente da Federação Mato-grossense de Tênis de Mesa (FMTTM), a instituição responsável pela organização do certame, Sandro José Abrão, são 400 atletas e mais 500 pessoas, dentre elas, técnicos, dirigentes e familiares. Segundo ele, como a competição começou, 67 anos atrás, com o intuito de fomentar a integração da comunidade japonesa e descendentes, famílias inteiras de mesatenistas viajam para prestigiar o evento e rever amigos.

Leia também:  Atletas de Rondonópolis se destacam em competição nacional

“O Intercolonial é uma competição que combina clima familiar com alto nível de desempenho técnico. Teremos gerações de mesatenistas, de avôs até netos, na mesma disputa e também diversos atletas de seleção brasileira, tanto ídolos de outras décadas quanto da atualidade. O que permitirá ao cuiabano e ao mato-grossense conhecer o mesmo tênis de mesa praticado nas mais difíceis competições do mundo. Inclusive ver atletas olímpicos”, disse Sandro José Abrão.

Estrelas

Bruna Takahashi, Caroline Kumahara, Silnei Yuta e Edson Fumihiro são alguns dos destaques do 67º Campeonato Intercolonial Brasileiro de Tênis de Mesa. Bruna e Caroline fizeram parte da seleção brasileira que representou o país nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Silnei e Edson foram membros da seleção brasileira na década de 90. E Silnei já conquistou 17 títulos de campeão do Intercolonial em categorias individuais, sem contar outros tantos por equipe ou duplas.

Leia também:  Mixto, Dom Bosco e Cacerense viram adversários diretos do União na Copa Federação

Bruna Takahashi, 16 anos, um dos maiores talentos precoces da atualidade do tênis de mesa brasileiro, mesmo tão jovem já conquistou os dois primeiros sonhos da carreira profissional de um desportista, representar o país em Olimpíadas e ser campeão mundial. Ela foi a caçula, a mais nova de toda a delegação brasileira nas Olimpíadas Rio 2016 e foi campeã mundial infantil por equipes e individual (Egito/2015), título inédito para os países da América Latina.

Estrutura

Parte dos equipamentos de tênis de mesa que serão utilizados no Intercolonial, como redes, piso, suportes, separadores, cadeiras de arbitragem, mesas de arbitragem e mesas de jogo, são oriundos dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM) doou os apetrechos olímpicos para a Federação Mato-grossense de Tênis de Mesa (FMTTM), no fim do ano passado, com o intuito de fomentar a modalidade em Mato Grosso.

Leia também:  Times de Mato Grosso vão mal na rodada de final de semana
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.