Imagem: presos tentam ataques contra autoridades
Foto: EDMAR BARROS/FUTURA PRESS

Um relatório do Setor de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas, datado de segunda-feira, 9, e obtido pela GloboNews, mostra que a Família do Norte (FDN) já planejava atentados a bomba contra autoridades, como a segunda parte do plano iniciado com o massacre de rivais e desafetos em Manaus.

Os líderes locais da FDN teriam partido para uma retaliação após os principais chefes da facção, detidos em presídios federais, não terem voltado ao Estado no fim do ano, como solicitavam os detentos desde outubro. Como parte do plano definido na época constava o ataque contra o secretário de Segurança, Sérgio Fontes, e contra o promotor de Justiça Lauro Tavares, do Grupo de Atuação Especial Regional para Prevenção e Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado do Amazonas.

Leia também:  Mulher é presa por deixar filha usuária de drogas acorrentada dentro de casa

O relatório aponta ainda que, na sexta-feira da semana passada, em conversa de celulares interceptada de dentro do Compaj, o líder do regime fechado, apelido de Marquinhos, falou do sucesso da primeira parte do plano – com as 56 mortes – e disse que a segunda fase estava em andamento.

Atentados seriam feitos com bombas deixadas em malas no Tribunal de Justiça e no Ministério Público. A tarefa seria chefiada por um detento do semiaberto: Nigéria. Ele já teria obtido metralhadoras, além do apoio de quatro pistoleiros e de criminosos colombianos especializados no uso de explosivos.
PMs envolvidos. O relatório pede sigilo aos envolvidos, uma vez que haveria risco de policiais militares estarem vazando informações para a FDN.

Leia também:  Falso treinador é preso por pedofilia após prometer vaga em time em troca de 'nudes'

Com 1.475 detentos, a PAMC é reduto do PCC, que está em guerra contra a facção carioca Comando Vermelho (CV) e seus aliados da FDN. Roraima tem 2.621 presos – 900 dos quais pertenceriam a facções, a maioria do PCC. No total, 27 facções disputam o controle do crime organizado nos Estados.

A guerra de facções deixou o sistema penitenciário em alerta, os e governadores de Amazonas, Roraima, Rondônia, Acre, Tocantins, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul pediram ajuda do governo federal com o envio da Força Nacional. Amazonas foi o primeiro Estado a receber. A crise é tamanha que, segundo o Conselho Nacional de Justiça, são necessários R$ 10 bilhões para acabar com déficit prisional no País.

Leia também:  Caminhão roubado em GO é recuperado com armas e 11 t de maconha em MS
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.