Imagem: dr gerson
Diretor de Inteligência, Gerson Vinicius Pereira – Foto: PJC

Um trabalho silencioso e pouco visto, a Inteligência Policial é uma ferramenta especializada na produção de prova na investigação policial. Em 2016, as provas de crimes levantados pelos profissionais da Diretoria de Inteligência da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso foram responsáveis pela identificação de mais de 200 autores de delitos praticados no Estado.

O acompanhamento diário de organizações criminosas conseguiu antecipar crimes patrimoniais como os roubos (comércio, veículos e bancos) e também evitou homicídios. Esse trabalho, coordenado pela Diretoria de Inteligência, não é visto e muito menos noticiado, ficando restrito aos profissionais que atuam no departamento, mas é uma importante atividade desenvolvida no combate à criminalidade.

Com o trabalho de inteligência, os policiais do “serviço secreto” da Polícia Civil atuaram diretamente na prisão de 101 criminosos, sendo 36 com mandados de prisão; na apreensão 742 quilos de entorpecentes, 22 armas e mais de 800 munições e recuperação de 14 veículos.

O diretor de Inteligência da PJC, delegado Gerson Vinicius Pereira, explicou que a inteligência da Polícia Civil tem buscado a descentralização do serviço, sendo mais uma unidade “mãe”, de suporte aos 23 Núcleos de Inteligências (NI) instalados em delegacias da Capital e do interior. “Desenvolvemos operações pontuais, mas estamos cada vez mais dando poder aos NI’s, para que eles se tornem autônomos, sem deixarmos de ser o órgão central. Hoje fazemos o acompanhamento da criminalidade, detectamos os grupos e repassamos ao NI da região”, disse.

Leia também:  Homem é preso dentro de ônibus com mandado de prisão em aberto

O diretor pontua que o papel da inteligência policial é o de visualizar cenários de crimes, utilizando-se de ferramentas de inteligência tecnológica e humana, para estar um passo à frente das ações criminosas. “Tentamos trabalhar de maneira proativa no sentido de visualizar esses cenários”, afirma.

A Inteligência Policial cumpre importante papel no enfrentamento à criminalidade, desenvolvendo ações no campo preventivo e repressivo. De acordo com o diretor, a inteligência age em nível de assessoramento a crimes de alta complexidade e de difícil elucidação em virtude do número de pessoas envolvidas e também na prevenção com dados estatísticos, análise criminal, para detectar zonas de criminalidade no Estado e depois realizar ações preventivas ou proativas.

Leia também:  Ministério Público de Mato Grosso é o mais premiado do país

“O policial que trabalha na inteligência precisa se acostumar que não irá aparecer. Ele prepara toda a informação e repassa para a ponta. Muitas vezes não é reconhecido”, revela o delegado, que devido ao cargo que ocupa, pouco aparece também.

A Diretoria de Inteligência da Polícia Civil é uma unidade vinculada a Secretaria Adjunta de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

Imagem: Lab dv
Foto: PJC

LAB-D

Inserido na estrutura da Diretoria de Inteligência, o Laboratório de Tecnologia Contra Lavagem de Dinheiro (LAB-LD) é uma importante ferramenta que está por traz de grandes investigações na Polícia Judiciária Civil.

Desde sua instalação, em março de 2014, o Laboratório vem trabalhando em 86 investigações de casos que necessitavam produzir provas da movimentação financeira e tributária de organizações criminosas, que operam em vários segmentos no Estado de Mato Grosso, principalmente, em crimes de lavagem de dinheiro e corrupção.

A Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Ordem Pública (Defaz) é a principal cliente do Laboratório. “Todos os casos mais complexos, que exigem medida cautelar de afastamento de sigilo bancário estão no Lab, até mesmo aqueles casos em que necessitamos de um relatório mais elaborado”, disse a delegada titular da Defaz, Cleibe Aparecida de Paula.

Leia também:  Avião com 400 kg de cocaína é apreendido em Tangará da Serra

De posse de dados bancários, fiscais, telefônicos e cadastrais, todos autorizados pela Justiça, o Laboratório aplica soluções tecnológicas e métodos de análise para a identificação de ativos ilícitos. “Tudo que chega ao Laboratório é muito complexo. Só em um caso temos um ‘calhamaço’ de informações”, afirma o diretor de Inteligência, Gerson Vinicius.

Capacitação

Investimento em Inteligência não passa somente pela aquisição de equipamentos de ponta, mas também pela capacitação dos policiais que trabalham na atividade. Em cinco anos, desde 2011, a Diretoria de Inteligência vem assegurando que seus profissionais recebam todo o treinamento necessário para o desempenho de suas funções.

São 241 policiais civis de Núcleos de Inteligência, capacitados dentro da doutrina de inteligência. O Curso Básico de Inteligência é ministrado por analistas da Gerência da Inteligência Estratégica, que possuem a missão de inovar e difundir conhecimentos da atividade de inteligência as unidades de inteligência.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.