Imagem: 3 Bruna Takahashi Crédito ITTFBruna Takahashi e Caroline Kumahara competem na 67ª edição do Campeonato Intercolonial Brasileiro de Tênis de Mesa, que ocorre neste fim de semana, nos dias 20, 21 e 22 de janeiro, a partir das 08h, no Ginásio Poliesportivo Professor Aecim Tocantins, no Complexo da Arena Pantanal, em Cuiabá-MT. As duas foram parte da delegação de atletas brasileiros nos Jogos Olímpicos Rio 2016, no Rio de Janeiro, Brasil. E o público poderá assisti-las jogar gratuitamente!

Bruna Takahashi, 16 anos, um dos maiores talentos precoces da atualidade do tênis de mesa brasileiro, mesmo tão jovem já conquistou os dois primeiros sonhos da carreira profissional de um desportista, representar o país em Olimpíadas e ser campeão mundial. Ela foi a caçula, a mais nova de toda a delegação brasileira nas Olimpíadas Rio 2016 e campeã mundial infantil por equipes e individual, título inédito para os países da América Latina, em 2015, no Egito.

Leia também:  Federação realiza arbitral após desistências em série

A jovem prodígio também coleciona diversos ineditismos, foi a primeira brasileira a ficar entre os oito melhores em mundial infantil (2013), a primeira brasileira a ganhar um circuito na Europa (2015), a primeira jogadora do mundo a ganhar por duas vezes as categorias infantil e juvenil na mesma etapa de um circuito (Colômbia 2014 e Paraguai 2015), primeira dupla brasileira a ganhar um título no Word Tour (Chile 2015) e primeira brasileira a ganhar um título mundial feminino.

Intercolonial

O 67º Campeonato Intercolonial Brasileiro de Tênis de Mesa prevê injetar quase um milhão de reais na economia da capital mato-grossense, principalmente, nos setores de hospedagem, alimentação e transporte, entre outros. Serão cerca de 400 atletas e aproximadamente mais 500 pessoas, entre técnicos, árbitros, dirigentes, voluntários e familiares, num evento de três dias. Considerado o maior da modalidade em toda a América Latina.

Leia também:  Luve perde e está de volta à Zona da Degola

“Cuiabá sedia pela primeira vez uma competição de tênis de mesa desse porte. Por somente outras duas vezes o Intercolonial foi feito fora do eixo Sul-Sudeste. Foi um desafio trazer e a expectativa é de que aconteça na mais perfeita ordem. E só foi possível receber tal evento devido ao apoio do Governo do Estado de Mato Grosso, que patrocinou parte considerável”, diz o presidente da Federação Mato-grossense de Tênis de Mesa (FMTTM), Sandro José Abrão.

Estrutura

Parte dos equipamentos de tênis de mesa que serão utilizados no Intercolonial, como redes, piso, suportes, separadores, cadeiras de arbitragem, mesas de arbitragem e mesas de jogo, são oriundos dos Jogos Olímpicos Rio 2016. A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM) doou os apetrechos olímpicos para a Federação Mato-grossense de Tênis de Mesa (FMTTM), no fim do ano passado, com o intuito de fomentar a modalidade em Mato Grosso.

Leia também:  1º Campeonato de Futebol Amador é suspenso temporariamente

Envolvimento

O Governo do Estado de Mato Grosso, Prefeitura Municipal de Cuiabá, Associação Cultural Nipo-brasileira, Net TV, Moda Verão, Moto Raça Cuiabana, Nova Central, Embelleze e Federação dos Trabalhadores nas Indústrias do Estado de Mato Grosso (Fetiemt) estão entre os principais apoiadores e ou patrocinadores do 67º Campeonato Intercolonial Brasileiro de Tênis de Mesa.

Mais ídolos

A competição ainda terá a participação de dois atletas ex-seleção brasileira, Silnei Yuta e Edson Takahashi. Silnei foi membro da seleção na década de 90, jogou profissionalmente por cerca de 30 anos, é bi-campeão Pan-americano por equipes (1991 e 1995) e é por 17 vezes campeão do Intercolonial em categorias individuais. E Edson também defendeu a seleção na década de 90 e, por cerca de vinte anos, morou e deu aulas de tênis de mesa no Japão.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.