Servidores concursados na camara Municipal de Rondonópolis - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Servidores concursados na camara Municipal de Rondonópolis – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

A contratação do convênio com o Consórcio Regional de Saúde do Sul de Mato Grosso (CORESS) para atender aos usuários do SUS no município de Rondonópolis com contratação de profissionais da saúde no valor de mais de R$38 milhões por 24 meses gerou muita polêmica na Sessão Extraordinária desta segunda-feira (16). No final o projeto foi aprovado com a emenda do vereador Thiago Muniz (PPS) com vigência de apenas 90 dias pelo valor de mais de R$4 milhões.

A sessão chegou a ser suspensa e durante discussão na sala de reunião dos vereadores ambos os lados tiveram direito a fala.

Os concursados debateram que este processo de concurso começou há dois anos para por fim a um processo de contratação precária, em que muitas pessoas capacitadas são mandadas embora do dia para a noite muitas vezes por cunho político. E que esta contratação de convênio por dois anos prorrogável por mais dois irá inviabilizar a posse dos concursados

Leia também:  População brasileira vai "compreender aumento de impostos", diz Temer

A Secretária de Saúde Interina, Isalba Albuquerque, afirmou que esses profissionais a serem contratados no consórcio atuaram apenas nos setores de urgência e emergência e por isso não vai deixar de chamar os concursados “Hoje dos 2 mil servidores que estão na Saúde e não sabemos onde estão 300″ afirmou.

Vereadores em plenário para a votação dos projetos - Foto: Varlei Cordova / AGORA MT
Vereadores em plenário para a votação dos projetos – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

O vereador Thiago Muniz (PPS) afirmou que está ocorrendo uma procrastinação na contratação dos concursados e que isso é inadmissível já que quem está apto a trabalhar pode trabalhar em qualquer local seja urgência ou Posto de Saúde da Família (PSF) “Queremos viver em uma cidade onde se cumpre as regras ou na base de gambiarra” questionou o parlamentar. Ele colocou uma emenda para que a contratação do consórcio fosse feita por 90 dias improrrogáveis, já que a secretária de saúde interina, Isalba afirmou que até o final de fevereiro já há em números a quantidade de concursados a serem chamados.

Leia também:  Vereador requer que problemas de falta de água em bairros sejam resolvidos

Houve ainda outros projetos, um do presidente da Câmara Rodrigo da Zaeli (PSDB) para que haja uma prestação de contas por parte do consórcio e do vereador Beto do Amendoim com prazo de 6 meses prorrogável por mais 6, mas que foi desconsiderada.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.