Oito pontos de rodovias federais de Mato Grosso, que estavam parcialmente interditados pelos caminhoneiros e empresários do transporte de carga de grãos, foram liberados no fim da manhã desta quarta-feira (18).

De acordo com o superintendente regional da a Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Mato Grosso, Arthur Nogueira, que esteva em Nova Mutum negociando com os membros do movimento, não haverá pelo menos por enquanto novos bloqueios.

Ao mesmo tempo, o senador José Medeiros (PSD) juntamente com representantes da PRF estava em Rondonópolis tentando dissuadir os manifestantes para pôr o fim na interdição parcial.

Segundo uma divulgação na página oficial de uma rede social do senador José Medeiros, está marcada para quinta-feira (19) uma audiência com o presidente Michel Temer (PMDB) e líderes dos caminhoneiros para discutir as reivindicações da classe trabalhadora. “O que os caminhoneiros queriam eram ser atendidos neste momento. Já me comprometi a ajudá-los na tramitação do projeto quando chegar ao Senado”, declarou Medeiros.

Leia também:  Estado tem 48h para regularizar repasses para Santa Casa de Pontes e Lacerda

Representantes da categoria devem se reunir com o vice-governador Carlos Fávaro (PSD), na tarde desta quarta-feira, 18, para ver a possibilidade de implantação da tabela de frete mínimo obrigatória que divulgada pela Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).

Segundo membros do movimento, mais de 10 mil carretas, estavam parados às margens das rodovias federais que cortam o estado de Mato Grosso, em postos de combustíveis e garagens de transportadoras desde o dia 13 de janeiro.

A principal reivindicação dos empresários do transporte de carga e sindicalistas é elevação e criação de uma tabela do valor do frete. Segundo eles, o valor pago hoje não cobre os custos operacionais. Somente com combustível o gasto equivale a mais de 50% dos custos.

Leia também:  Estado e municípios identificam 57 ocorrências de incêndios florestais
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.