Imagem: protesto Alta Floresta
Artista faz protesto na rua – Foto: Junio Garcia / AGORA MT

O Artista circense Vinicius Trecha, passou parte dessa quarta-feira (15), ao lado de uma faixa de pedestre, na avenida Ariosto da Riva, Centro de Alta Floresta – MT, segurando um cartaz e amordaçado. A manifestação foi organizada após ser notificado pela Secretária Adjunta de Trânsito, Transporte e Segurança, de que não poderá mais se apresentar naquele local, por atrapalhar o tráfego.

O cartaz traz os seguintes dizeres, “2º Dia sem arte, arte livre, liberdade de expressão, antifa.” Vinicius trabalhava em dois semáforos do município e foi surpreendido pela informação de que não podia exercer sua atividade artísticas nas ruas. Segundo ele foi notificado pela Secretária Adjunta, mais de uma vez, “Na verdade foram duas vezes que fui notificado, foi apenas verbal, num sábado fui trabalhar e ele falou que eu não podia trabalhar. Ele me pediu pra que eu fosse procurar ele para conversar, ai mandei a Lei da Liberdade de Expressão por um agente de trânsito, por escrito e não obtive resposta. Depois ele falou comigo verbalmente também que eu não poderia.”

Leia também:  Corpo é encontrado nos fundos de motel em estado de decomposição

Vinicius destaca, também, que participou de uma reunião pessoalmente com Messias Araújo, secretário adjunto, na qual também participou o vereador Mequiel Zacarias Ferreira, e que a postura dele (Messias) foi irredutível, e que a partir dessa situação resolveu se manifestar com objetivo de que a população tomasse conhecimento da situação, “ele foi irredutível se não houver uma lei que regulamente não poderei trabalhar. Ai eu resolvi manifestar pra que a população esteja ciente dessa problemática e tenha um senso crítico sobre isso.”

Messias Araújo, fala que não se trata de amordaçar ninguém, mas sim de defender a segurança de todos no transito, “É um fato isolado, fato inédito aqui no nosso município, a gente não tinha problema com esses artistas de rua, ai detectamos a atuação dele na faixa de pedestre, recebemos algumas denúncias em relação a ele jogar facões e objetos com fogo e as pessoas não estavam muito seguras em atravessar a faixa. Pra garantir a segurança dos pedestres a gente resolveu proibir a ação com base no Código Brasileiro de Trânsito, artigo 1º, inciso 2º e nos artigos 69 e 254, até que seja regulamentado essa situação.”

Leia também:  Após fazer buraco em muro, quadrilha invade casa e aterroriza família

O vereador Mequiel Zacarias, que acompanha o caso destaca seu posicionamento sobre, “Como o município não tem legislação específica cria aquela discussão entre a Constituição Federal e o Código Brasileiro de Trânsito. Nesse sentido se torna necessário reconhecer a atividade e estabelecer as diretrizes para mesma, até mesmo para evitar situações futuras afim de dar tranquilidade para os artistas de rua. Nesse sentido estamos fazendo estudo para propor projeto de Lei para resolver essa situação. Acima de tudo, a profissão e a atividade artística é legitima e precisa ser reconhecida pela população e pelas autoridades. ”, conclui o vereador.

O artista que prática atividades circenses a mais de 4 anos, com passagens por diversas cidades, destaca o que pensa sobre o ocorrido, “é uma injustiça, tenho direito de trabalhar sou artista e trabalho com arte há sete anos e com 4 com arte circense, eu só quero meu direito de trabalhar”, disse.

Leia também:  Motorista é preso com 9 galos dentro de maletas que vieram da Bolívia
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.