A chegada do feriado de Carnaval aumenta a procura por bebidas. As vendas na categoria líquidas, como cervejas, águas, destilados, sucos e refrigerantes chegam a aumentar até 20% em algumas conveniências do ramo de bebidas em Rondonópolis (MT).

Com as temperaturas mais elevadas durante o Carnaval é comum observar um aumento na procura por produtos que ajudam na hidratação das pessoas e que fazem parte do estoque para as viagens em grupos, seja em família ou amigos.

Mas cada vez que um folião toma uma caipirinha, 76,66% do valor da bebida vão para o governo, segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), que fez um levantamento sobre a tributação dos produtos mais consumidos no carnaval. A lista inclui de bebidas a fantasias e spray de espuma.

Leia também:  Preço da gasolina sobe para R$4,11 nos postos de Rondonópolis

De acordo com a entidade, as bebidas têm a carga de impostos mais alta: além dos 76,66% da caipirinha, o chope tem 62,2% de tributação, e a lata ou garrada de cerveja, 55,6%. Segundo o presidente do IBPT, João Eloi Olenike, os percentuais altos estão ligados ao princípio da seletividade na definição dos impostos. “Quanto menos essencial o produto for para a população, mais tributado ele será”, explicou.

Para quem quer pular o carnaval fantasiado, a parcela de imposto pode chegar a 45,96% se a escolha for um colar havaiano. As máscaras de plástico têm 43,93% de impostos embutidos e as fantasias de tecido, 36,41%.

Outros itens típicos desta época, os confetes e serpentinas são tributados em 43,83%. Já 45,94% do preço dos sprays de espuma vão para os impostos.

Leia também:  Salário mínimo tem queda de R$ 10 em 2018

A lista do IBPT também incluiu passagens aéreas, tributadas em 22,32%; e pacotes para assistir a desfiles de escolas de samba – com hospedagem, transporte e ingresso – que chegam a ter 36,28% de impostos.

 

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.