Imagem: Conselho e Câmara
Foto: assessoria

Os Conselheiros Tutelares do município procuraram os vereadores, durante a ordem do dia desta terça-feira (21), para informar a situação em que o órgão se encontra. Eles pedem uma intervenção dos legisladores junto ao prefeito Zé Carlos do Pátio a fim de apresentarem como o órgão vem trabalhando nos últimos meses. Segundo eles, após a transição de gestão, profissionais foram demitidos provocando uma deficiência operacional nos conselhos.

“Estamos sem ASD na região 2, sem conselho de administração e só com um motorista e um carro para atender as ocorrências em dias de plantões. Além disso, a secretária municipal de Promoção e Assistência Social baixou, na semana anterior, uma portaria que garante que os conselheiros dirijam os carros. Ora, não somos motoristas e muito menos concursados para este cargo. Não vamos assumir aquilo que não nos compete”, defende a conselheira Maria da Glória Menezes.

Leia também:  Vereadores de Costa Rica participam de evento nacional

Ele explicou ainda que os Centros de Referência à Assistência Social – Crás estão sem Psicólogos e Assistentes Sociais para atenderem as crianças que são direcionadas às unidades. “Estamos sem saber o que fazer. Não só nós, conselheiras, mas também aqueles que trabalham nestes órgãos como Crás, Creas e Caps. Estamos tentando defender o direito daqueles que não tem voz, nem vez. Precisamos de uma reunião com o prefeito para pontuarmos esta situação”.

O vereador Cláudio da Farmácia (PMDB) disse que os legisladores devem encampar esta luta e defendeu que só por meio do prefeito a situação deve ser resolvida. “Diante à prestação do serviço destes profissionais, não devemos deixar a situação chegar onde chegou. A Câmara de Rondonópolis é parceira à esta causa”.

Leia também:  "Derramo meu sangue por um companheiro" diz deputado após fazer tatuagem com nome de Temer

O vereador e presidente da Casa de Leis, Rodrigo da Zaeli (PSDB), agendou para quinta-feira (23) uma visita aos Conselhos Tutelares da cidade, a fim de verificar in loco os problemas enfrentados pelos conselheiros. “A visita vai nos permitir sentir o que eles [conselheiros] têm passado. Vamos fazer a visita e, posteriormente, agendar a reunião com o prefeito para levarmos a situação e buscarmos resolver o problema”, concluiu.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.