Imagem: Gino e Geno
Foto: Divulgação

Entre as dezenas de títulos sertanejos que chegam periodicamente ao mercado fonográfico, o álbum Tô bonito ou não tô se diferencia pela capa, tão tradicionalista quanto o figurino e o chapéu usados por Sebastião Ribeiro de Almeida (o Gino) e Geraldo Alves dos Santos (o Geno). É que Gino & Geno são mesmo uma dupla à moda antiga que sobrevive no universo pop sertanejo. Em atividade desde 1970, Gino & Geno estão lançando álbum que chegou às plataformas digitais anteontem, 24 de fevereiro de 2017, e que tem edição física em CD programada para março com distribuição nacional da gravadora Universal Music.

Com 14 músicas (Amor de capiau, Choro de saudade, O molhado da saudade, Sentimento cigano e Sina, entre outras), o álbum Tô bonito ou não tô reaviva no mercado fonográfico uma dupla formada na interiorana cidade mineira de Itapecerica (MG). Disponível de forma extraoficial na web desde 2016, o disco joga luz sobre essa dupla antiga que gravou álbuns regularmente ao longo dos anos 1970 e 1980 – década em que emplacou o sucesso As águas do São Francisco (1982) – e que sumiu progressivamente do mercado fonográfico na década de 1990 até retomar a longa carreira (com assiduidade) a partir dos anos 2000.

Leia também:  Freddi e Andrade "A nossa dupla começou quando viram em nós, talento que não víamos"
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.