Imagem: Orestes
Foto: assessoria

Uma reunião na sede da Promotoria de Justiça, na tarde desta sexta-feira (17), entre a Promotora Joana Bortoni Ninis, os vereadores, Dr. Orestes Miráglia (SD), Thiago Silva (PMDB), Silvio Negri (PCdo B), tenente Guinâncio (PSDB), e o advogado Everton Neves dos Santos, representante da UNEMAT, pode ter dado início à efetivação da instalação do Campus da UNEMAT na cidade de Rondonópolis, após 17 anos do início do processo.
Na verdade, um Projeto de Lei de autoria do então deputado estadual Jose Carlos do Pátio no ano de 2000, autorizava a criação de uma Unidade Educacional da UNEMAT no município de Rondonópolis.

De lá para cá dezenas de ações foram realizadas no sentido de efetivar a instalação da faculdade na cidade mas, estranhamente, todas elas fracassaram, apesar da expressiva representatividade politica da cidade, e sua importância estratégica para a economia e desenvolvimento do estado.

Desta feita a promotora anunciou aos vereadores e ao representante da instituição, que vai ajuizar uma Ação Civil Pública, para fazer com que a Unemat venha de fato a se instalar na cidade no espaço de tempo mais curto possível, e ainda realizar o vestibular que a instituição prometeu fazer na cidade, cujas taxas foram recolhidas, mas acabou suspenso pela instituição.

Leia também:  Projeto prevê o plantio de árvores frutíferas em APP’s e terrenos baldios da cidade

Essa primeira reunião entre a promotora e os vereadores, resultou num acordo de se fazer mais uma reunião na próxima semana, onde será criado um protocolo de intenções para verificar-se custos, os orçamentos necessários para implantação dos primeiros cursos acadêmicos da Instituição na cidade; o custeio da sede a ser definida, e ainda, a realização de uma audiência pública com os nossos representantes políticos, das esferas: municipal estadual e federal, onde seriam questionados sobre as suas eventuais contribuições através de indicações e emendas parlamentares.

Para o vereador Orestes Miráglia, essa parceria e extremamente importante, porque através de um mecanismo jurídico (Ação Civil Pública) a cidade pode fazer valer seu direito de ter uma instituição educacional com a UNEMAT instalada no município e oferecer novas oportunidades de formação acadêmica aos nossos jovens, bem como, referenciar a cidade como polo educacional e de formação.

“Nós temos sido parceiros divulgando e cobrando no rádio desde a criação do projeto há 17 anos. Temos feito ações junto às autoridades, mas estranhamente esse processo não andou. Agora, com a união das forças políticas, o Ministério Público e a população, eu tenho certeza de que vamos conseguir finalmente trazer a UNEMAT para Rondonópolis”, externou o vereador.

Leia também:  Lei para desenvolvimento de startups é sancionada em Rondonópolis

Uma das preocupações dos envolvidos no processo de instalação da UNEMAT em Rondonópolis, é quanto à estranha resistência da instituição em vir para a cidade que é a segunda maior economia do estado, enquanto promove a instalação de unidades em municípios minúsculos como Marcelândia e tantos outros, e até no Distrito de Caramujo, localizado no município de Cáceres, sede da instituição.

“É estranha essa atitude da Reitoria da UNEMAT quanto a Rondonópolis, pois desde o inicio desse processo de instalação, a UNEMAT criou Campus espalhados por todo o estado em cidades minúsculas, inexpressivas, sem razão de ser, e que não abrange a população; vale lembrar que nós somos a segunda maior economia, a segunda cidade, e a segunda maior população do estado que contribui com recursos para a UNEMAT. Então eu acho descabida essa renitência da reitoria da instituição em trazer o nosso almejado campus para a cidade”, externou a promotora.

Leia também:  Deputado é condenado a indenizar Município de Rondonópolis

A promotora explicou que quando se refere a estas localidades como inexpressivas, não o faz em relação às pessoas que residem nesses locais, mas sobretudo, à falta de demanda por estes cursos.

Para a Promotora, as faculdades foram feitas para serem instaladas em cidades polos onde há maior demanda e maior aplicação do beneficio da presença da instituição para a população.

Essas cidades precisam dispor de infraestrutura para dar suporte à vinda e acolhimento de estudantes das regiões circunvizinhas, como repúblicas, quitinetes, casas para alugar, restaurantes etc.

Joana diz que não concorda com a politica utilizada pela Reitoria da UNEMAT, pois acredita que o dinheiro público deve ser destinado para agraciar e beneficiar o máximo de pessoas possíveis e não apenas pequenos núcleos populacionais.

Para a próxima reunião, o prefeito municipal deverá ser convidado, bem como os demais vereadores da câmara Municipal. Nas audiências publicas o público em geral poderá participar e apresentar suas demandas e sugestões ara os cursos que poderão vir com a instalação da unidade educacional aqui na cidade.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.