Imagem: AdnetAo lado do parceiro João Cavalcanti, Mario Adnet até abre a voz (de pequena extensão, mas bem modulada) e se aventura como cantor ao reviver a Valsa do baque virado, música cantada pelo parceiro em shows desde 2012, lançada na web por Adnet em 2013 e em disco em gravação do MPB4 feita para álbum editado em 2016. Mas é como compositor e, sobretudo, como arranjador e produtor musical que o carioca Adnet brilha em Saudade maravilhosa, álbum lançado pelo Selo Sesc neste mês de março de 2017 (a venda da edição em CD vai ser feita a partir de 9 de março nas unidades do Sesc).

Também disponível para audição no YouTube, o álbum Saudade maravilhosa enfatiza a produção autoral de Adnet como compositor. O artista assina oito das 10 músicas do disco gravado com arranjos e produção musical do próprio Adnet. Entre as dissonâncias e os improvisos de Chorojazz (Mario Adnet, 1997) e a bossa da inédita e lírica música-título Saudade maravilhosa (Mario Adnet), o compositor apresenta a bluesy Azul da tarde (Mario Adnet) e, fora do trilho autoral, toca Viver de amor (Toninho Horta e Ronaldo Bastos, 1976) sem a letra da canção lançada há 41 anos na voz de Milton Nascimento no álbum Geraes.

Há também o choro Cecília no parquinho – tema lúdico dedicado à neta de Adnet – e Ancestral, composição em que o autor evoca a influência da música africana, além de Sambaqui, música composta por Adnet em 1975 e lançada em disco em 2001 com outro título. Por fim, Adnet – fundador em 2001 da orquestra Ouro Negro – explicita a herança do maestro pernambucano Moacir Santos (1926 – 2006) ao tocar Caravan (Juan Tizol e Duke Ellington, 1936) com ecos da obra de Santos no standard imortalizado há 81 anos pelo seminal compositor, pianista e maestro norte-americano Duke Ellington (1899 – 1974).

Leia também:  Em 2017, Beyoncé é a mulher mais bem paga da música com US$ 105 milhões

No encarte da edição em CD de Saudade maravilhosa, Adnet contextualiza cada uma das dez músicas tocadas no álbum, cuja capa (de alma carioca) expõe reprodução do quadro Pedra Bonita Mario e Tom (1995), acrílico sobre tela de Guilherme Secchin.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.