03 de dezembro de 2020
Mais
    Capa Destaques Ano Letivo começa na penitenciária Mata Grande

    Ano Letivo começa na penitenciária Mata Grande

    Os alunos que estão matriculados já publicaram livros e revistas.

    Imagem: Mata Grande aula
    Foto: Reprodução

    Em torno de 45 unidades penitenciárias deram início ao ano letivo em todo estado de Mato Grosso, uma chance para os reeducandos avançarem no processo educacional de ressocialização e, desta forma, conseguirem remição na pena. Em todo o estado em torno de 2.600 reeducandos, cerca de 10% a mais em relação ao ano passado estão matriculados.

    Na Penitenciária Mata Grande, em Rondonópolis, são 234 matriculados nos Ensinos Fundamental e Médio que começaram a participar das aulas ministradas por 13 professores da Escola Estadual Nova Chance.

    A unidade prisional, conhecida como Mata Grande, tem cinco salas de aula e nelas muitos reeducandos já conseguiram alçar novas oportunidades. Dois deles, por exemplo, no ano passado ingressaram na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e com apoio da família e autorização judicial, passaram a frequentar um curso superior.

    A professora e coordenadora, Creuza Ribeiro, está na Escola Nova Chance há 12 anos e destaca o empenho de muitos reeducandos no processo educacional. No início do ano letivo, os alunos foram reunidos para conhecer o quadro de professores e os projetos e metas da escola na unidade. “É uma ferramenta de transformação na sociedade, as oportunidades são melhores e a educação transforma e nem os muros e grades podem ser uma barreira”, aponta a pedagoga.

    A educação e o trabalho têm uma contribuição essencial na ressocialização dos reeducandos. A meta é sempre ofertar aulas atrativas com temas relevantes, levando sempre em conta que a educação é um instrumento importante dentro da unidade, com reflexos internos e externos.

    Enem

    Neste ano, 72 reeducandos do sistema penitenciário Mata Grande participaram do Exame Nacional do Ensino Médio. De acordo com a coordenadora do Núcleo de Educação nas Prisões, Creuza Ribeiro, a intenção é manter essa trajetória crescente.

    Os resultados do Enem podem ser utilizados para certificação de conclusão do Ensino Médio pelas instituições, como também os resultados do exame poderão ser utilizados como mecanismo único, alternativo ou complementar de acesso à educação superior.

    Ao todo 29 reeducandos conseguiram notas no ENEM e 15 foram selecionados para ingressar no ensino superior.

    Outras unidades

    Na Penitenciária Major Zuzi Alves, em Água Boa, 202 reeducandos estão matriculados. No ano passado, 44 deles prestaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e quatro conseguiram média para aprovação em cursos superiores.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS