A Polícia Militar, foi acionada na tarde de hoje (06), quando um cabo da PM estava passando na Av. XV de novembro, centro de Rondonópolis e foi abordado pela vítima, de 25 anos, que estava imobilizando o suspeito Renato Kley Barbosa, de 23 anos.

A vítima informou que na data 24/02/2017, o suspeito (Renato) esteve em seu estabelecimento comercial por várias vezes olhando alguns objetos e não comprou nenhum produto.

Tempo depois, quando a vítima estava em horário de almoço, ocorreu um furto em sua loja, sendo levado cerca de 30 smartphones de diversas marcas e ao retornar em seu estabelecimento, constatou o fato e foi informado por sua vizinha de box, que o suspeito (Renato) que esteve no local naquela manhã, havia-se dado presente no mesmo horário de almoço da vítima, mas ela (vizinha) não havia percebido, se o indivíduo tinha efetuado algum furto.

Leia também:  Bimotor que voava sem autorização é interceptado com meia tonelada de cocaína

Dias depois do ocorrido, a vítima visualizou em um grupo de compras e vendas em sua rede social, o anúncio de um produto (Smartphone Moto G4 Plus da marca Lenovo/Motorola) e que mediante a isso, reconheceu o produto sendo como da sua loja e quem estava fazendo a oferta, era a mesma pessoa (suspeito) que esteve dias antes em seu estabelecimento.

Na data de hoje (06), a vítima, viu o meliante rondando seu local de trabalho e no momento que o suspeito percebeu que estava sendo observado, saiu correndo.

Durante fuga, o suspeito bateu o nariz no meio fio da via (XV de novembro), a vítima conseguiu imobilizá-lo, com isso conseguiu acionar o cabo da Polícia Militar que estava passando no local e viu a situação, onde o mesmo acionou a equipe mais próxima para conduzir a ocorrência.

Leia também:  Dois bitrens e uma caminhonete colidem na BR-163

Com a equipe indagando os envolvidos, a vítima relatou todo o ocorrido e o suspeito confirmou toda história na presença dos policiais, dizendo que realmente havia cometido o furto dos produtos e vendido os mesmos para um proprietário de uns dos BOX, no shopping popular.

Diante disso, o suspeito levou a vítima e a equipe até a loja, que comprou os produtos furtados, mas o proprietário não se encontrava no local e que por conta disso, foi comunicado a sua irmã, (fora do estabelecimento para evitar constrangimento), de que o mesmo (proprietário do BOX) havia comprado os produtos furtado do estabelecimento da vítima presente.

Feita a condução do suspeito e da vítima até a 1ª Delegacia de Polícia, para serem tomadas as devidas providencias. Durante a confecção do boletim de ocorrência, o proprietário da loja (BOX), ligou para o celular da vítima, fazendo ameaças (inclusive para a PM), que usaria de sua influência e que colocaria “rachando” para cima da mesma.

Leia também:  Justiça condena a 12 anos de prisão acusado de homicídio

Vale salientar que durante toda a condução, o suspeito, afirma com toda convicção que vendeu os produtos para o proprietário do BOX e que na primeira vez recebeu um valor de R$ 90 e que dois dias depois, recebeu mais R$ 170 reais.

Esta matéria foi confeccionada de acordo com os dados informados no B.O.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.