Imagem: beb anunciado 4998625
Reprodução: CBN Vitória

Um bebê de 1 ano e 11 meses, morador de Cariacica, Grande Vitória, foi “ofertado” em um site de compras e vendas pelo preço de R$ 750 na internet. O caso aconteceu em janeiro deste ano.

Um suspeito de 19 anos, foi identificado e é cunhado da mãe da criança. A polícia não viu a necessidade de solicitar a prisão preventiva do rapaz.  Mas, se for condenado, pode pegar até seis anos de prisão.

A oferta que ele anunciou na rede, se enquadra nos crimes previstos nos artigos 232 e 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O primeiro diz respeito a “submeter criança ou adolescente sob sua autoridade, guarda ou vigilância a vexame ou a constrangimento”. Já o segundo é “prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa”.

Leia também:  Adolescente é morto por amigo após discutirem sobre macumba em MG

De acordo com o delegado Lorenzo Pazolini, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, não ficou comprovada a participação dos pais da criança no caso. Como a postagem foi retirada do ar pelo próprio site, no instante que foi comunicado, esse site não será penalizado.

As investigações começaram no início do ano e o suspeito, em depoimento à polícia, disse que a intenção não era vender o bebê, mas fazer uma brincadeira. O rapaz contou ainda que recebeu contatos de pessoas interessadas em comprar a criança de diferentes locais do país.

O delegado disse que a postagem foi vista por diversas autoridades e assim comunicaram a polícia, que por sua vez, iniciou uma investigação. Através da conta cadastrada no site, a polícia conseguiu chegar ao usuário cadastrado, um homem de 58 anos.

Leia também:  Quadrilha se passam por seguranças e tentam invadir show de Wesley Safadão armados

Esse homem disse que não foi ele o autor dessa publicação e que o sobrinho de 19 anos era quem utilizava a conta na internet para fazer postagens sobre vendas e compras de produtos. Assim, a polícia chegou ao autor do crime da postagem de venda da criança.

O delegado disse que não viu a necessidade de solicitar a prisão preventiva desse rapaz e, por isso, ele permanece solto. A polícia falou ainda que os pais da criança foram surpreendidos, pois não sabiam da situação e que agora a criança fica bem longe desse familiar que fez a postagem.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.