Imagem: op amansoUma investigação da Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), da Polícia Judiciária Civil, referente a crimes ambientais e loteamento clandestino, encontrou dois trabalhadores em situação análoga a escravidão, nesta quarta-feira (15), na operação denominada “Amanso”, realizada na região do Manso, em Chapada dos Guimarães.

A ação contou com a parceria da Diretoria de Inteligência, Gerência de Operações Especiais (GOE), Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), e da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec). O Ministério Público do Trabalho também foi acionado para constatação oficial das condições de trabalho ofertada aos trabalhadores.

Os trabalhadores foram encontrados em uma área invadida, na região do Lago do Manso. Eles foram arregimentados em um albergue, no Distrito de Nossa Senhora da Guia, e levados para a região, onde viviam em condições degradantes, sem transporte.

Leia também:  Após ser preso por roubo, Polícia descobre que suspeito possui 4 mandados em aberto

A investigação da Delegacia do Meio Ambiente apura a invasão de áreas pública e particular cometida por mais de 20 pessoas, com a presença de pessoas armadas no local. Além delitos ambientais, a Polícia Civil investiga crime de loteamento clandestino, associação criminosa e outros delitos.

Durante ação nesta sexta-feira, os policiais constataram várias degradações ambientais como derrubada de vegetação nativa, próxima a córregos e às margens do Lago do Manso.

Segundo a Dema, os dois homens encontrados no local trabalhavam para os líderes da invasão clandestina e também foram autuados em termo circunstanciado de ocorrência por crimes ambientais, apesar de serem vítimas de eventual crime de trabalho escravo.

A Secretaria de Meio Ambiente (Sema) será oficializada para providencias administrativas dos responsáveis pelos crimes ambientais.

Leia também:  Motociclista fica ferido após bater em ambulância do SAMU
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.