O Governo do Estado entregou, nesta quarta-feira (08), um centro de pesquisa universitário para o campus da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) em Pontes e Lacerda. Há 12 anos o campus aguardava a construção do centro, que só foi priorizada em 2015, na atual gestão. O investimento do Executivo Estadual foi de R$ 578 mil, fruto de parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat) e a Unemat.

O centro de pesquisa da Unemat de Pontes e Lacerda possui 600 metros quadrados e contempla duas salas; três laboratórios de zootecnia; e um laboratório de informática; além de estrutura específica de processamento de amostras e armazenamento de reagentes químicos.

Imagem: Unemat 1
Foto: Assessoria

Durante a inauguração, o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, destacou que a atual gestão tem compromisso com a Unemat e acredita na educação como forma de transformar a vida das pessoas. “Esta universidade e seus alunos são patrimônios do Estado e precisam ser valorizados. Espero que a estrutura melhore o desenvolvimento de pesquisas no campus, contribuindo para o crescimento do setor agropecuário regional”.

Leia também:  Horta da penitenciária de Sinop colhe primeira produção

Taques destacou ainda que o Governo buscará R$ 70 milhões, entre 2017 e 2018, para fazer investimentos na Unemat, e pediu o apoio da universidade na instalação da Faculdade de Tecnologia (Fatec) em Mato Grosso. O chefe do Executivo Estadual ressaltou também a importância da instalação da Unemat em Cuiabá, mas isso depende da aprovação do conselho gestor da instituição.

O secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação, Domingos Sávio, disse que existem mais 12 obras como as da Unemat de Pontes e Lacerda em andamento em todo estado, além das oito Escolas Técnicas Estaduais (ETEs). Anunciou ainda que o Estado está adquirindo um caminhão para levar ciência e tecnologia aos municípios mato-grossenses.

Imagem: UnematA reitora da Unemat, Ana di Renzo, agradeceu ao Governo pelo auxílio na recuperação do convênio para a construção do centro de pesquisa. Lembrou que, com os recursos disponíveis, foi possível dar celeridade às obras. Além dos R$ 200 mil investidos na obra, agora a universidade deve destinar cerca de R$ 30 mil para a instalação de condicionadores de ar.

Leia também:  Mais de 12 mil motoristas ficaram parados na BR-163 por falta de combustível

Já o presidente da Fapemat, Antônio Carlos Máximo, destacou que o número de doutores no corpo docente da universidade tem aumentado muito nos últimos 10 anos. Com isso, mais projetos com recursos federais têm sido contemplados. “Essa é uma obra importante, é um investimento da Fapemat que dá orgulho de participar, em parceria com a Unemat”, disse.

Além do laboratório, Máximo disse que a Fapemat investiu R$ 30 milhões em inovação e apoio à pesquisa, sendo R$ 15 milhões em 2015 e outros R$ 15 milhões em 2016. “Foi tudo pago e todas as contrapartidas depositadas”, garantiu o presidente da fundação.

Presente na expedição pela região Oeste, o vice-governador, Carlos Fávaro, pontuou que o laboratório é de extrema importância para a comunidade local, principalmente, porque dará apoio aos pequenos produtores da região, por meio do desenvolvimento de pesquisas. Para ele, é necessário ainda o fortalecimento das ações conjuntas entre a Unemat e a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).

Leia também:  Governo mantém suspensa lista de preços mínimos para suínos até dezembro

Incentivo

Para incentivar e fomentar pesquisas e projetos da Unemat, o Governo do Estado estuda a edição de um decreto que obrigue todas as secretarias estaduais a buscarem, obrigatoriamente, junto à Unemat a possibilidade de fazer a consultoria, antes de contratar consultorias pela iniciativa privada. A minuta do decreto já está em análise pela Casa Civil. Se publicada, tende a fomentar o caixa da Unemat.

Espera

O campus da Unemat em Pontes e Lacerda foi inaugurado em 1992, com o curso de Letras. Depois, foram instalados os cursos de bacharelado em Direito e Zootecnia. Atualmente, oferece 120 vagas por semestre e atende 600 alunos. São 63 professores e outros 23 técnicos atuando na unidade.

O primeiro convênio para a construção do centro de pesquisa foi firmado em 2004, mas entraves burocráticos impediram o início das obras. A licitação só ocorreu em 2015, ano em que as obras foram iniciadas. Até então, os alunos não tinham um laboratório deste porte para realizar as aulas práticas.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.