Ônibus foi destruído em um dos ataques em Fortaleza - Foto: TV Verdes Mares/Reprodução
Ônibus foi destruído em um dos ataques em Fortaleza – Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

A Grande Fortaleza registrou cinco incêndios a ônibus até o início da tarde desta quinta-feira (20), totalizando 22 ataques a coletivos desde esta quarta. Um banco e delegacias receberam rajadas de tiros na cidade de Maracanaú e Fortaleza entre a noite de quarta e esta madrugada. Transferências de presos e mudanças nos presídios foram apontadas em uma carta deixada no local de um dos incêndios como sendo motivação para os ataques. A Secretaria da Segurança não confirma relação com problemas em presídios e diz que as motivações estão sendo investigadas. Oito pessoas foram presas suspeitas das ações. Um motorista e um cobrador ficaram feridos.

Um ônibus que fazia a linha Arvoredo/Parangaba no Bairro Mondubim foi queimado no início da tarde. Por volta das 8h30, um coletivo da linha Vila Velha-RioMar Kennedy foi o primeiro a ser incendiado neste segundo dia de ataques. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindionibus) informou ainda que um veículo foi incediado no Bairro Mucuripe e um terceiro da Linha Antônio Bezerra/Bairro Padre Andrade. No quarto ataque desta quinta, na comunidade Jardim Fluminense, o incêndio a ônibus deixou queimaduras em 90% do corpo de um cobrador e foi em frente a uma escola municipal, que terá de suspender aulas, segundo um funcionário. O cobrador está internado no Instituto Dr. José Frota.

Leia também:  Ministério da Saúde inclui no SUS terapias alternativas como "meditação e ioga"
Ataques podem ser contra a mudança na rotina dos presídios do Ceará - Ônibus foi destruído em um dos ataques em Fortaleza - Foto: TV Verdes Mares/Reprodução
Ataques podem ser contra a mudança na rotina dos presídios do Ceará – Ônibus foi destruído em um dos ataques em Fortaleza – Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Os ataques a ônibus desta quarta, ocorreram a partir do meio-dia em bairros como Barroso – o primeiro deles -, Edson Queiroz e Barra do Ceará, além de cidades como Horizonte. Nestes três casos, criminosos jogaram gasolina e atearam fogo.
Ainda segundo o Sindiônibus, apesar dos ataques desta quinta, não há previsão de retirar os ônibus de circulação novamente.

Por causa dos ataques, alguns simultâneos, os ônibus deixaram de circular durante a tarde desta quarta-feira; faculdades suspenderam aulas; muita gente ficou sem opção para voltar para casa, e o transporte alternativo cobra valores superfaturados.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.