11 de maio de 2021
Mais
    Capa Notícias Política Palocci e ex-presidente da OAS dão depoimento para Sérgio Moro nesta quinta-feira

    Palocci e ex-presidente da OAS dão depoimento para Sérgio Moro nesta quinta-feira

    Antônio Palocci, quando foi detido em setembro do ano passado na Operação Lava Jato - Foto: Geraldo Bubniak
    Antônio Palocci, quando foi detido em setembro do ano passado na Operação Lava Jato – Foto: Geraldo Bubniak

    O ex-ministro Antonio Palocci prestará depoimento nesta quinta-feira ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba. Palocci será ouvido por Moro às 10h, na sede da Justiça Federal, na ação penal que responde por corrupção e lavagem de dinheiro junto com o empreiteiro Marcelo Odebrecht e outras 13 pessoas.
    O ex-ministro da Fazenda na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e todo poderoso quando comandou a Casa Civil no governo de Dilma Rousseff segue preso desde setembro de 2016, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba.

    No processo, a Lava-Jato acusa o ex-ministro de ter recebido propina para atuar pela Odebrecht entre 2006 e 2013. Na denúncia, o Ministério Público Federal sustenta ainda que ele teria participado de conversas sobre a compra de um terreno para a construção da sede do Instituto Lula, em São Paulo.

    O agravamento da situação de Palocci perante a Justiça depois da divulgação dos detalhes dos depoimentos de executivos da Odebrecht pode contribuir para que engrosse o grupo de delatores da Operação Lava-Jato. Entre os petistas, a avaliação hoje é que Palocci deve seguir um caminho diferente do adotado por José Dirceu e João Vaccari Neto, que, mesmo condenados, resistiram a abrir a boca.

    As revelações recentes tornam a situação de Palocci mais delicada, já que seu processo está na penúltima fase, a de interrogatórios, e a expectativa é de que a sentença seja proferida por Moro já nas próximas semanas. A próxima etapa da ação será a das “alegações finais”, na qual a defesa e o Ministério Público Federal,a quem cabe o papel de acusar, terão que apresentar razões que possam inocentar ou condenar o ex-ministro.