Imagem: livro sobre manejo sustentável
Foto: Reprodução

Um livro criado com a finalidade de discutir os princípios de sustentabilidade do manejo florestal traz ao longo de 103 páginas um pouco da história dos Critérios e Indicadores (C&I), ferramentas internacionalmente utilizadas para diagnosticar o grau de uso e exploração de uma floresta. A publicação ainda sugere um exercício para estimar qual o nível e em que áreas o progresso do manejo em direção ao sustentável foram alcançados por meio do uso do C&I.

“Manejo Florestal na Amazônia Brasileira: Os Indicadores da Sustentabilidade” surgiu de uma tese de doutorado defendida em 2012 pelo engenheiro florestal e servidor da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Marcos Antônio Camargo, e publicado este ano no site da Editora Appris.

Leia também:  Cuiabá será sede do 1º Encontro Mato-grossense de Aleitamento Materno

Em sua abordagem, Marcos afirma que as atividades de exploração e os tratos silviculturais pós-exploratórios, como a condução da regeneração natural após as operações de derruba das árvores,  o arraste das toras na floresta e a implantação de parcela permanente de monitoramento para medir e acompanhar a recuperação da vegetação no ambiente alterado deveriam ser monitoradas por um conjunto de critérios e indicadores de sustentabilidade, os quais precisariam estar previstos desde a elaboração do projeto.

Segundo o engenheiro, os C&I são desconhecidos por quase todos os atores que trabalham com o manejo e isso é prejudicial para o equilibro ambiental. “Se você não sabe medir, como sabe se é sustentável? ”, questiona o analista ambiental.

Leia também:  MPE promoverá painel sobre Conversão Agroecológica e Produção Sustentável de Grãos na APA das Nascentes do Rio Paraguai

Usados para definir a melhor forma de manejo, esses instrumentos (C&I) consideram os aspectos ambientais, sociais e econômicos e suas interações para definir o grau de sustentabilidade alcançado pela atividade. Ele explica que o uso de coerente dessa ferramenta para avaliar a sustentabilidade do manejo florestal tem se tornado cada vez mais importante, sendo atualmente a estratégia utilizada pelas mais diversas instituições que pesquisam a sustentabilidade da atividade de manejo florestal em todo o mundo.

A obra não é direcionada somente para os engenheiros florestais, ela desperta também a curiosidade das pessoas que tem afinidade com o meio ambiente. “No livro eu pude escrever tudo aquilo que aprendi na academia e ao longo das minhas experiências profissionais. Nele falo sobre os desafios e os novos caminhos para um trabalho em prol do progresso florestal aliado ao meio ambiente”.

Leia também:  Mais de 2.300 contribuintes são convocados pela PGE para negociar dívidas

Como Mato Grosso possui 60% das suas florestas preservadas, é importante a capacitação constante dos profissionais que vão atuar no setor do manejo de floresta nativa, tendo em vista o potencial que a floresta em pé oferece à população. Quando bem realizado, o processo contribui com a qualidade da floresta aliada à sua exploração sustentável.

Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.