A cada etapa de vacinação contra febre aftosa, desde o Convênio de Sanidade Animal em Áreas de Fronteira Brasil-Bolívia, criado em 04 de abril de 1979, Mato Grosso tem investido em ações que visem à manutenção do status sanitário e proteção do rebanho. Na época, foi constituído o Comitê Internacional Misto Brasil Bolívia (CIMBB), composto pelos setores público e privado dos dois países.

Os integrantes do CIMBB, no qual Mato Grosso está inserido, se reúnem anualmente para atualizar as diretrizes de intercâmbio realizado em ambos os territórios e apresentar os resultados obtidos. São ações como o acompanhamento das campanhas de vacinação e participação em cursos de capacitação, por exemplo, para que os serviços veterinários oficiais estejam alinhados. O objetivo é contribuir para melhorias no desenvolvimento de estratégias de sanidade animal na região de fronteira.

Leia também:  Em MT, umidade do ar varia entre 12% e 20% e Defesa Civil emite alerta

Integrando essas ações de intercâmbio, os médicos veterinários do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT), Giovana Gonçalvez, Pedro Mazetti e Leone Medeiros, acompanharam a vacinação de bovinos realizadas pelas equipes bolivianas em comunidades indígenas localizadas na faixa de 15 km da fronteira. Durante oito dias, entre os meses de maio e junho deste ano, foram acompanhados pela equipe brasileira 1.246 bovinos, em 15 comunidades, nos municípios de San Matías e San Ignácio de Velasco.

Os veterinários brasileiros somaram a experiência de vacinação e vigilância de enfermidades infectocontagiosas realizada há uma década na região de fronteira do Brasil à metodologia empregada pelas equipes bolivianas, visando uma padronização e busca pela excelência no trabalho realizado nos dois países. Também oportunizou uma avaliação da estrutura das propriedades, para identificação de vias de acesso, condições ambientais, avanços zootécnicos do rebanho bovídeo, e pontos de risco para introdução, difusão e manutenção de agentes patogênicos.

Leia também:  CGE constata sobrepreços nos procedimentos judicializados

Da mesma forma, o serviço veterinário boliviano acompanhou o trabalho do Indea em propriedades localizadas em assentamentos na faixa de 15 km de fronteira no município de Cáceres, durante o mês de maio. Assim, eles puderam acompanhar a vacinação do rebanho mato-grossense e o trabalho de educação sanitária realizado pelas equipes do Indea.

Os pecuaristas mato-grossenses contribuem para esse processo de vigilância sanitária, por meio do Fundo Emergencial de Saúde Animal de Mato Grosso (Fesa-MT). Nesta primeira etapa de vacinação, o Fesa doou 70 mil doses de vacina contra febre aftosa à Bolívia, que foram destinadas a comunidades indígenas e pequenas propriedades da faixa de fronteira com o Brasil.

O CIMBB é composto pelo Indea e Sindicados Rurais dos municípios mato-grossenses da fronteira, pelo Serviço Nacional de Sanidade Agropecuária e Inocuidade Alimentar da Bolívia (Senasag), pela Associação de Ganaderos San Matias (Agasan), pela Associação de Ganaderos San Ignácio de Velasco (Agasiv), e pelos Comitês Cívicos (representação dos indígenas).

Leia também:  Mato Grosso participa pela 1ª vez de evento turístico
Advertisements

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.